Um exercício internacional para simular um asteroide colidindo com a Terra chegou ao fim. Com apenas seis dias para um impacto fictício, as coisas não parecem boas para uma região de 298 km de largura entre Praga e Munique.

Dois anos atrás, os organizadores deste evento destruíram acidentalmente a cidade de Nova York, e agora é a vez de uma região fronteiriça que abrange a Alemanha, Áustria e República Tcheca ter o mesmo destino. Quando cobri os primeiros dias da simulação desta semana na quarta-feira, os especialistas estavam avaliando suas opções enquanto um asteroide de 140 metros de largura avançava em direção à Europa Central.

Isso pode soar como um jogo de RPG, mas é algo muito sério. Liderada pelo Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, a simulação de impacto de asteroides tem como objetivo preparar cientistas, planejadores e tomadores de decisão importantes para a realidade, caso ela ocorra. O exercício começou na última segunda-feira (26) e está acontecendo virtualmente na 7ª Conferência de Defesa Planetária IAA, organizada pelo Escritório das Nações Unidas para Assuntos do Espaço Exterior com a ajuda da ESA.

Com o impacto agora iminente, e com o asteroide falso claramente à vista, a situação sombria tornou-se clara.

“A prática e o treinamento para diferentes situações é uma parte importante da preparação, seja feita por profissionais de medicina, equipes esportivas ou artistas”, explicou Andy Rivkin, astrônomo pesquisador do Laboratório de Física Aplicada da Johns Hopkins, por e-mail. “Para a defesa planetária, esta é a nossa chance de reunir pessoas com diferentes conhecimentos que não costumam ter a chance de trabalhar juntas e olhar para diferentes cenários. Isso pode ajudar muito na identificação de questões importantes que podemos não enxergar quando trabalhamos como pequenos grupos ou indivíduos.”

Rivkin, que participou do evento, é o co-líder do Teste de Redirecionamento de Asteroide Duplo (DART, na sigla em inglês) da Nasa, que visa colidir uma espaçonave contra o asteroide Dimorphos no final de 2022. Ao atingir um asteroide, um impactador cinético como o DART pode “mudar o tempo de chegada do asteroide para que ele não chegue na encruzilhada ao mesmo tempo que a Terra”, disse Rivkin, acrescentando que seu grupo está testando o que “acontece em detalhes quando você altera a velocidade de um asteroide”, neste caso o Dimorphos.

Uma característica distintiva sobre a simulação deste ano é que o asteroide surgiu do nada, por assim dizer. Chamado de “2021 PDC”, ele foi descoberto apenas seis meses antes de seu encontro programado com a Terra. A probabilidade de um impacto foi avaliada inicialmente em 1 em 2.500, mas aumentou para 1 em 100 durante o primeiro dia da simulação. No Dia 2, as chances aumentaram para 100%, com o local de impacto identificado como sendo na Europa Central.

Para mim, uma conclusão importante da simulação deste ano foi a maneira drástica em que as variáveis-chave, como a provável área de impacto e o tamanho da população afetada, foram impactadas por novas observações. Em um momento, por exemplo, o Norte da África, o Reino Unido e grande parte da Escandinávia estavam dentro da possível zona de ataque.

Os participantes da simulação consideraram impossível implantar um esforço de mitigação, como um impactador cinético ou bomba nuclear, devido ao curto período de tempo — uma consideração que foi feita pela geóloga planetária Angela Stickle, outro membro da equipe do DART que participou do exercício.

“O cronograma para deflexão é importante”, explicou Stickle, líder do grupo de trabalho de modelagem de impacto do DART, em um e-mail. “Os impactadores cinéticos funcionam melhor quando são feitos com anos de antecedência, então o pequeno empurrão que você dá tem tempo suficiente para realmente mudar a órbita que se aproxima da Terra, mesmo se pudéssemos ter lançado um impactador cinético como o DART no cenário de exercício, poderíamos ter chegado tarde demais para realmente desviá-lo do curso.”

Os exercícios anteriores forneceram muitos anos de advertência, mas não este. Consequentemente, o foco do exercício foi voltado para a resposta a desastres e a importância de identificar asteroides perigosos com antecedência.

Para Andy Cheng, cientista-chefe e co-líder da equipe de investigação do DART na Johns Hopkins, o momento de aprendizado veio quando todos descobriram que o asteroide fictício havia passado pela Terra sete anos antes, mas não foi descoberto “porque não haviam telescópios baseados no espaço ou no solo que o teriam descoberto”, explicou ele por e-mail. Se o objeto tivesse sido detectado naquela época, “teria havido tempo de aviso mais do que suficiente para montar missões espaciais para caracterizá-lo e mitigar a ameaça”, como uma missão semelhante ao DART.

Consequentemente, a simulação tornou-se um exercício de previsão dos possíveis danos que podem ser infligidos pelo asteroide e onde esses danos podem ocorrer. Esta não foi uma tarefa fácil, dadas as muitas incertezas sobre o objeto ofensor, como seu tamanho e composição física. As estimativas iniciais colocaram o asteroide entre 35 m e 700 m de comprimento, seguido por uma estimativa mais refinada de 140 m, que “reduz significativamente o pior tamanho possível e as piores energias de impacto possíveis correspondentes”, de acordo com o relatório do dia 3.

Mapa atualizado mostrando a área ameaçada na Europa Central. Imagem: Nasa/JPL

O que nos leva ao último dia do exercício (parece que este foi um projeto de quatro dias, não cinco dias como foi relatado originalmente). O dia 4 ocorre em 14 de outubro de 2021 — apenas seis dias antes do impacto. Com o impacto agora iminente, e com o asteroide falso claramente à vista, a situação sombria tornou-se clara.

O impacto fictício ocorreria em 20 de outubro de 2021, precisamente às 17:02:25 UTC, com mais ou menos um segundo de margem de erro. Este nível de precisão é realmente fascinante e demonstra o alto grau em que estaríamos preparados para aquele momento fatídico, permitindo que as pessoas nas áreas afetadas e adjacentes evacuassem ou se protegessem.

Imagens tiradas pelo Observatório Goldstone no dia anterior limitaram o tamanho do asteroide a 105 m de diâmetro. Não era tão grande quanto se temia, mas ainda assim grande o suficiente para causar sérios danos. Para Mallory DeCoster, um engenheiro mecânico e de sistemas e membro da equipe de investigação DART da Johns Hopkins que também participou do exercício, a incerteza contínua sobre o tamanho do asteroide se mostrou problemática.

Mapa mostrando as várias regiões ameaçadas de acordo com o nível de gravidade. Imagem: Nasa/JPL

“Sabemos que uma das informações mais críticas para os tomadores de decisão é a informação de alta fidelidade sobre o tamanho do asteroide”, disse ela. “No cenário de impacto hipotético, vimos que as capacidades dos instrumentos atuais nos deixaram com uma grande variedade de tamanhos possíveis para o asteroide, variando de um diâmetro de 30 m de baixa ameaça a um diâmetro de 700 m capaz de destruir um continente. Isso mostrou como é importante investir em instrumentos como radares terrestres e sensores infravermelhos baseados no espaço para fornecer métricas de caracterização de alta resolução.”

O asteroide falso foi projetado para atingir a Terra a velocidades que chegam a 15 km/s, ou 55.000 km/h. O ponto zero foi previsto para residir em um intervalo de 23 km, mas esse número deve encolher pela metade nos próximos dias, à medida que o asteroide se aproxima. O local do impacto foi centralizado próximo às fronteiras de três países: Alemanha, República Tcheca e Áustria.

Esta área é principalmente rural e não foram fornecidas estimativas sobre o tamanho da população afetada. Na pior das hipóteses, o asteroide infligiria danos que se estenderiam por 150 km em todas as direções. Um mapa de ameaças indicava as regiões designadas como sem sobreviventes, críticas, severas e graves. Praga, uma cidade de 1,27 milhão de habitantes, reside na fronteira externa da zona classificada como séria, enquanto Munique parecia estar fora de perigo.

Se esta situação fosse real, a Rede Internacional de Alerta de Asteroide — um grupo que detecta, rastreia e caracteriza asteroides potencialmente perigosos — teria disseminado esta informação de acordo com uma resolução da Assembleia Geral da ONU, segundo o relatório de sexta-feira (30). Isso seria feito para “garantir que todos os países…estejam cientes das ameaças potenciais” e para enfatizar a necessidade de desenvolver “uma resposta de emergência eficaz e gestão de desastres no caso de um impacto de objeto próximo à Terra”, diz a resolução.

Stickle disse que várias coisas chamaram sua atenção no exercício deste ano, incluindo a importância de uma comunicação pública clara, particularmente fornecendo informações às pessoas sobre a ameaça e o que pode ser feito para prevenir impactos na Terra.

“Acho que o DART pode ser uma boa adição a isso como um exemplo de como estamos preparando e testando a tecnologia necessária; a missão oferece uma boa oportunidade de comunicação e engajamento público”, escreveu Stickle. “O exercício também mostrou a importância de ser capaz de implantar rapidamente impactadores cinéticos em um cenário de emergência.” Dito isso, ela descreveu o cronograma de seis meses como sendo “bem esportivo”, pois teríamos que agir muito rápido, mesmo com uma solução de mitigação pronta para funcionar.

Assine a newsletter do Gizmodo

Mallory DeCoster, engenheiro mecânico e de sistemas e membro da equipe de investigação do DART, também concordou, dizendo que “realmente precisamos encontrar e rastrear mais asteroides”, acrescentando que isso não é surpreendente, “mas este cenário de curto tempo de aviso definitivamente destaca a importância disto.”

E com isso o exercício estava completo, já que realmente não havia mais nada a fazer a não ser esperar o asteroide chegar. É tudo muito mórbido, mas a simulação deste ano valeu a pena. Esperamos que esses exercícios permaneçam dentro do reino da ficção.