A Soylent – startup americana que quer substituir a refeição – finalmente parece ter descoberto o que fez tantos dos consumidores das suas barras nutritivas passarem mal.

Os possíveis motivos pelos quais a comida da Soylent fez tanta gente passar mal
Soylent interrompe venda de pó nutritivo; clientes passaram mal com “comida do futuro”



A empresa acredita que um ingrediente baseado em algas incluído nos novos produtos foi o culpado pelo surto de náusea e diarreia entre seus consumidores, de acordo com a Bloomberg. O Gizmodo também falou anteriormente sobre a possibilidade do ingrediente baseado em algas ser o causador dos problemas porque os novos produtos contêm muito mais deles do que os antigos. E nossa aposta foi confirmada pela Soylent.

Além de identificar o ingrediente causador dos problemas, a empresa anunciou planos para lançar novas barras nutritivas no ano que vem. O cofundador e CEO da Soylent, Rob Rhinehart, disse à Bloomberg que “nossas novas fórmulas não contêm a farinha de algas”.

Os problemas começaram em agosto, quando a Soylent lançou um novo produto chamado Food Bars, umas barras nutritivas que ofereciam “a mesma nutrição completa” dos produtos antigos da empresa, mas em uma “forma mais leve e portátil.” Essas afirmações da empresa têm dois problemas: o primeiro é que cientistas concordam que os produtos da Soylent não oferecem nutrição completa. Além disso, as barras nutritivas estavam fazendo pessoas vomitarem e dando a elas diarreia incontrolável. A empresa interrompeu as vendas das barras nutritivas com um ingrediente específico que ela acredita estar fazendo os consumidores ficarem doentes.

Antes de anunciar que as algas são as culpadas, a Soylent já tinha retirado dois produtos de circulação. Em um post no blog oficial, dois meses depois do lançamento das Food Bars, a empresa disse que “notou que um punhado de consumidores (menos de 0,1%) que consumiram o Powder 1.6 ao longo dos últimos meses relataram sintomas relacionados ao estômago que são consistentes com os descritos pelos consumidores das barras.” Agora, a empresa culpa os ingredientes baseados em algas usados nas barras.

Os ingredientes baseados em algas foram fornecidos por uma empresa chamada TerraVia, que também é fornecedora de ingredientes para empresas como a Unilever para loções e sabonetes. A TerraVia disse à Bloomberg que a sua farinha de algas é segura – negando as acusações da Soylent – e também disse que os produtos da Soylent contêm outros irritantes como proteína de soja isolada e glicerina — ambos podem causar sintomas parecidos.

“Nossa farinha de algas é usada em mais de 20 milhões de produtos, e estamos cientes de poucas reações adversas. Em nenhum caso a farinha de algas foi identificada como a causadora,” disse o vice-presidente sênior da TerraVia, Mark Brooks, à Bloomberg.

Essa farinha de algas vendida pela TerraVia é normalmente usada como substituto vegan para manteiga e ovos, e já apareceu em outras barrinhas de proteína como as da Honey Stinger, que também causaram náuseas e vômitos em alguns consumidores. A farinha de algas é derivada de algas cultivadas em um tanque, que depois secam e são transformadas em uma substância em pó que pode ser usada como alternativa à soja em produtos alimentícios. É um jeito simples para empresa usarem proteínas de origem vegetal em vez de algo mais caro como carne.

Mesmo quem usa o produto e não enfrentou nenhum problema, talvez deva se perguntar até que ponto a Soylent é confiável. As barras nutritivas podem ser boas para ajudar a se manter de pé durante o dia, mas é bom manter um pouco de ceticismo em relação a essas alegações de fornecimento de “nutrição completa”.

[Bloomberg]