Atualmente, tem muita informação sobre o coronavírus pela internet, algumas úteis, muitas alarmantes e outras muito confusas. Nesta segunda-feira (2), o cofundador da Apple Steve Wozniak contribuiu para essa última categoria, tuitando que ele recentemente voltou da China e acreditava que ele e sua esposa, Janet Hill, “podem ter sido os pacientes zero do coronavírus nos EUA”.

O que, se for verdade, é péssimo, né?

Felizmente, parece que isso não é verdade. De acordo com a repórter do USA Today Jessica Guynn, Hill disse ao jornal que sua doença era apenas uma sinusite.

Wozniak está em uma posição de nunca mais precisar se envolver com outras pessoas, se assim ele quiser, na vida real, e mais especificamente, nas redes sociais. “Nunca abri o app do Twitter para ver o que as pessoas estão tuitando”, disse ele ao USA Today há alguns anos, descrevendo o que pode ser um sonho para alguns. “Não tenho tempo para isso. Tenho uma vida bem ocupada”.

Os seus 11 anos na plataforma foram, no entanto, sem grandes acontecimentos. Apenas tuítes eventuais de check-in do Swarm (o app do Foursquare para indicar que você está em determinado lugar). É possível que Woz tenha esquecido que sua conta do Foursquare está ligada ao Twitter em algum momento de 2011, e é bem provável que o designer do Apple II não tenha consciência de que sua conta é pública e conta com centenas de milhares de seguidores.

Embora a maioria dos figurões da tecnologia use cuidadosamente suas contas online ou evitem ter uma presença virtual, os check-ins de Wozniak são uma rara exposição desprotegida e (ouso dizer) mundana de uma das principais figuras da tecnologia.

“Jantar com os sogros”, diz um tuíte em comemoração à visita ao restaurante mexicano Celia em novembro de 2019. “Midsommar. Não tenho a menor ideia do que esperar”, escreveu ele em um check-in em um cinema de San José em 14 de julho, sem dizer na sequência se o filme de terror do diretor Ari Aster é bom ou ruim.

O que nos leva a esta segunda-feira, quando Wozniak parecia afirmar que ele e sua esposa podem ter sido responsáveis por levar o vírus COVID-19 para a costa oeste dos Estados Unidos.

“Verificando a tosse de Janet”, diz o check-in no Swarm. “Começou em 4 de janeiro. Acabamos de voltar da China e podemos ter sido os pacientes zero nos EUA”. Segundo o aplicativo, ele e a esposa estão atualmente no Instituto de Esportes da Costa Oeste em Santa Clara.

Dá para tirarmos algumas conclusões sobre isso. Primeiro, muitos americanos costumam adiar a ida ao médico, pois é caro — isso claramente não se aplica a milionários como Wozniak. Se você tiver dinheiro, claramente não vai ficar em casa por dois meses com tosse.

Segundo, a OMS (Organização Mundial da Saúde) emitiu sua primeira orientação sobre o novo coronavírus em 10 de janeiro. Se Wozniak acreditava que ele e sua esposa poderiam ter entrado em contato com ele, eles tiveram tempo de sobra para procurar tratamento médico ou quarentena. Seu feed do Twitter mostra mais de 20 check-ins entre e data e agora, muitos deles envolvendo locais com muita gente, como aeroportos, restaurantes e um jogo de hóquei.

Como sei que Wozniak estava ciente dos relatos sobre a disseminação do COVID-19? Ele próprio tuitou sobre o assunto.

Tradução: Janet e eu estamos nos recuperando de um vírus que pegamos na Ásia há duas semanas. Eu duvido que seja o coronavírus, pois não estivemos em México (Corona).

Terceiro, e talvez o fator mais importante: pra quê isso, Woz?

A rápida propagação de uma doença dá origem a todos os tipos de desinformação. Uma pessoa consciente e inteligente como Steve Wozniak — que abandonou outras redes sociais por preocupações éticas — pode parecer uma figura improvável para aumentar esse barulho e criar teorias infundadas e malvadas sobre seu status de paciente zero em todo o mundo. Porém, cá estamos nós aqui falando sobre este assunto.

Esperamos que Janet se recupere da sua sinusite e que ela e Steve tenham resultado negativo para o coronavírus — assim como as prováveis milhares de pessoas com quem eles estiveram em contato nos últimos dois meses.