Como podem dois submarinos acabar colidindo no meio do oceano? Militares britânicos estão culpando o excesso de furtividade possibilitada pela tecnologia e os franceses declaram que não sabiam o que havia acontecido dias depois do evento.

Uma fonte da Marinha Real contou ao Times:

É incrivelmente difícil detectar um submarino moderno com sonar e nós trabalhamos duro com os nossos próprios submarinos, assim como os nossos aliados, para torná-los os mais silenciosos possível para que não sejam detectáveis.

 

E ele está falando sério – mesmo depois de terem atingido algo, a tripulação francesa não sabia dizer o que tinha sido. Eles achavam que era um contêiner, e só três dias depois, quando aportaram, foi que descobriram que haviam colidido com outro submarino, depois do governo ter deduzido a colisão a partir de trocas rotineiras de informações com os britânicos.

O problema é que os dois submarinos usam sonar passivo para mapear os arredores, o que não revela suas localizações como o ‘toque’ do sonar ativo, além de serem ligeiramente menos sensíveis. Sem estes ‘toques’, era praticamente impossível o sonar passivo de qualquer um dos submarinos detectar o sonar do outro, levando à colisão e à consequente confusão.

Na verdade, a coisa toda foi um pouco mais controlada que os relatos iniciais (ou as nossas imaginações) nos levaram a crer. Os submarinos, que estavam viajando bem lentamente, deram apenas um totozinho um no outro e o único dano crítico a qualquer uma das embarcações foi ao sistema de sonar do submarino francês. [Times Online]