Você pode gastar alguns milhares de reais em um telescópio que mostra a superfície da Lua em detalhes, mas uma equipe de astrônomos da Universidade de Sheffield (Reino Unido) fez o mesmo usando o equivalente a apenas R$ 400 em materiais.

Com uma impressora 3D e um módulo de câmera para Raspberry Pi, eles construíram um telescópio que pode fotografar imagens de 5 MB do céu. Estas são as primeiras fotos dele, que mostram a superfície da Lua:

DivulgaçãoDivulgação

O telescópio PiKon amplia imagens em até 160x, e permite ver “detalhes da Lua, além de galáxias, aglomerados de estrelas e alguns planetas”, segundo a universidade.

Seria inadequado chamá-lo de “telescópio feito em impressora 3D”, porque as partes mais importantes – o espelho e a câmera – são compradas prontas. Mas “isto se trata de democratizar a tecnologia, tornando-a mais barata e facilmente disponível ao público em geral”, como explica o físico Mark Wrigley em comunicado.

Funciona assim: ele usa um espelho côncavo para refletir a imagem através de um tubo, da mesma forma que um telescópio refletor. Telescópios costumam usar outro espelho para refletir a imagem até um visor; em vez disso, o PiKon usa uma câmera Raspberry Pi simples e barata – ela custa US$ 25 – que pode capturar a imagem refletida como um arquivo de foto.

DivulgaçãoDivulgaçãoImagens via PiKon.

“Esperamos que um dia isso seja visto em pé de igualdade com os famosos telescópios dobsonianos, que permitiram a amadores ver o céu noturno pela primeira vez”, diz Wrigley. O PiKon quer divulgar as instruções para qualquer pessoa que queira imprimir este telescópio.

De acordo com a Alternativa Photonics – empresa que colaborou com a universidade no projeto – os arquivos necessários para imprimir o telescópio serão enviados no futuro próximo ao Thingiverse, site da MakerBot para projetos de impressão 3D. Por enquanto, o primeiro protótipo impresso está sendo exibido no Festival of the Mind em Sheffield, Reino Unido.

A NASA está trabalhando em um telescópio espacial impresso em 3D, que está quase operacional. Por isso, é legal ver que físicos estão trabalhando em projetos semelhantes, feitos para alguém com uma impressora 3D comum. [University of Sheffield via BBC]

Imagem inicial via Alternative Photonics