A NASA divulgou a imagem de um buraco coronal, uma região do Sol onde o campo magnético permite a ejeção de material para o espaço. Este fenômeno resultou em uma série de noites fantásticas de aurora boreal, como essa registrada acima no dia 9 de outubro, em Harstad (Noruega).

De acordo com a NASA, essa “abertura” registrada em 10 de outubro fez partículas se soltarem e transitarem entre os campos magnéticos do Sol. Isso acabou originando uma tempestade de vento solar que, por sua vez, deu origem a uma tempestade geomagnética próxima ao planeta Terra.

coronalhole

As auroras consistem em um fenômeno de emissão de fótons por átomos de oxigênio e nitrogênio na atmosfera. Esses átomos ficam estimulados – ou ionizados – pela colisão com partículas do vento solar, que são aceleradas pelo campo magnético da Terra. Isso dá ao céu aquelas tonalidades em verde, vermelho, marrom e azul que tanto impressionam.

[NASA via G1]

Imagens: Johnny Henriksen/Spaceweather.com e NASA/SDO