A Organização Mundial da Saúde (OMS) está lançando um ensaio clínico multinacional no qual quatro medicamentos existentes serão usados para tratar pacientes com COVID-19. Atualmente, o projeto inclui 10 países e potencialmente envolverá milhares de pacientes.

As vacinas para seres humanos contra o COVID-19 podem não chegar por um ano ou mais, mas tratamentos para salvar vidas e diminuir a duração da doença são outra história. Como as vacinas, os medicamentos antivirais podem levar anos para serem desenvolvidos, mas a comunidade médica já possui uma variedade de medicamentos promissores ou licenciados que podem provar seu valor na batalha contra o SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19.

Para descobrir qual desses medicamentos pode funcionar melhor, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou um estudo clínico multinacional chamado Estudo de Solidariedade. Os países atualmente inscritos incluem Canadá, França, Argentina, Bahrain, Tailândia, Irã, Noruega, África do Sul, Espanha e Suíça, segundo comunicado da OMS. A revista Science relata que o teste pode envolver milhares de pacientes e potencialmente dezenas de países, à medida que o surto continua a se espalhar.

A necessidade de tratamentos antivirais eficazes é urgente. Até 23 de março, mais de 354 mil pessoas foram infectadas pelo SARS-CoV-2 e 15.436 morreram, de acordo com estatísticas coletadas pela Universidade Johns Hopkins.

“Vários pequenos estudos com diferentes metodologias não podem nos dar a evidência forte e clara que precisamos sobre qual tratamento ajuda a salvar vidas”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, numa conferência de imprensa realizada na semana passada, relata o Global News. “A OMS e seus parceiros estão, portanto, organizando um estudo em muitos países nos quais alguns desses tratamentos não testados são comparados entre si.”

Para o Estudo de Solidariedade, os médicos terão como alvo quatro medicamentos e/ou combinações diferentes, segundo o STAT:

  • (1) remdesivir;
  • (2) a combinação de lopinavir e ritonavir;
  • (3) lopinavir e ritonavir combinados com interferon beta;
  • (4) e cloroquina e hidroxicloroquina.

Esses medicamentos e combinações serão utilizados em campo nos pacientes atualmente diagnosticados com COVID-19. Os resultados nesses pacientes, em seguida, serão comparado com os resultados de pacientes que receberam o modelo padrão de tratamento para a doença em cada localidade.

Esses medicamentos podem parecer familiares, pois já são usados ​​para tratar outras doenças transmissíveis. O remdesivir inibe uma enzima usada pelos vírus para autorreplicação e é usado para tratar doenças causadas pelos vírus Ebola e Marburg. Recentemente, o remdesivir surgiu como um medicamento candidato ao tratamento de coronavírus, incluindo SARS, MERS e SARS-CoV-2.

A combinação de lopinavir e ritonavir é usada para tratar o HIV, e a adição de interferon beta a essa mistura adiciona um potente mensageiro do sistema imunológico ao composto, que atua para desativar os vírus. Cloroquina e hidroxicloroquina são usados ​​para prevenir e tratar a malária, que é transmitida por mosquitos.

O Estudo de Solidariedade procura determinar se algum desses medicamentos pode retardar o SARS-CoV-2 dentro do corpo humano e possivelmente até eliminá- lo. Por fim, os médicos precisam de algo para reduzir as taxas de mortalidade e o número de pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTI). Esses medicamentos poderiam ser usados ​​proativamente para proteger os profissionais de saúde da linha de frente do COVID-19, informa a revista Science.

Por padrão, os protocolos de teste do Estudo de Solidariedade são excepcionalmente simples; esse julgamento terá que ser realizado sob fortes pressões, já que os médicos da linha de frente trabalham para tratar pacientes e à medida que os hospitais ficam cada vez mais inundados com novos casos.

Conforme publicado pela revista Science, pacientes elegíveis com consentimento serão adicionados a um site central da OMS. Os médicos irão inserir dados sobre o paciente, incluindo condições de saúde pré-existentes. Os médicos também listarão os medicamentos à sua disposição no hospital ou estabelecimento de saúde.

Com base nisso, o sistema atribuirá aleatoriamente o paciente a uma das quatro terapias diferentes ou ao modelo local de atendimento padrão (que servirá como controle). Os médicos continuarão inserindo dados no sistema ao longo do tratamento.

O bioeticista Arthur Caplan, do Centro Médico Langone da Universidade de Nova York, disse à revista Science que aprova esse modelo: “Ninguém quer colocar à prova quem cuida da linha de frente que está sobrecarregada e corre riscos de qualquer maneira”.

Pode levar algumas semanas a alguns meses para analisar esses resultados, mas ainda é melhor do que desenvolver novos medicamentos do zero.

É importante ressaltar que o lopinavir-ritonavir “não se mostrou promissor para o tratamento de pacientes com COVID-19 hospitalizados com pneumonia em um recente ensaio clínico na China”, de acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA. Dito isto, o “fato de a OMS estar patrocinando o estudo sugere que os esforços na China para testar esses medicamentos podem não ter dados suficientes para indicar se houve algum uso para impedir que os pacientes desenvolvam doenças graves ou salvar aqueles com doenças graves”, de acordo com o STAT.

Atualmente, os Estados Unidos não fazem parte do Estudo de Solidariedade. Diversos países europeus recentemente anunciaram um ensaio clínico chamado Discovery, que vai estudar os mesmos medicamentos e combinações que o Estudo de Solidariedade.

De fato, a guerra contra o COVID-19 apenas começou. Com muita firmeza e paciência, esperamos encontrar novas maneiras de combater essa ameaça e mudar a maré.