Geralt de Rivia, protagonista da série The Witcher, é conhecido por muitas habilidades — desde matar monstros até momentos icônicos na banheira. Mas talvez um de seus traços mais infames após a primeira temporada da série Netflix foram as compilações intermináveis de seus grunhindos em sua jornada através do Continente. Pois bem, espera-se que isso mude na segunda temporada, por alguns motivos de enredo e até emocionais.

Durante a WitcherCon, evento que aconteceu na última sexta-feira (9) e trouxe novidades da franquia, o ator Henry Cavill, que dá vida ao bruxo, discutiu a qualidade mimética dos “hmmms” e “humf” de Geralt na primeira temporada e o que realmente levou a seu personagem a ter poucas palavras.

“Eu queria que ele fosse mais prolixo, mais intelectual, mais representativo de um homem que viveu 70 anos e tem uma inclinação filosófica. Ele é um cara legal, apesar do fato de ter momentos desagradáveis e ser muito capaz de cometer violência extraordinária”, diz Cavill na entrevista, que você pode assistir abaixo, em inglês, a partir dos 21 minutos.

“Há um aspecto cômico [em Geralt ser um ‘boneco de neve mal-humorado’], e eu queria me afastar disso. Atuei a temporada de uma maneira deliberada. Achei melhor, ‘seja o homem que está falando menos porque parece que está pensando mais’ – essa era a intenção”, completou Cavill.

Na segunda temporada de The Witcher, Geralt passará por lugares familiares e estará entre pessoas conhecidas, o que significa que o bruxo terá a chance de se abrir novamente. “Eu era da opinião que [com Geralt em Kaer Morhen] você tinha que deixá-lo ser prolixo, filosófico, falar mais e ser intelectual. Porque é isso que ele é; ele não é apenas um grande e velho bruto de cabelos brancos”, brincou.

Assine a newsletter do Gizmodo

Sem dúvidas, ainda haverá grunhidos o suficiente até o final da próxima temporada do seriado. Por ora, esperemos que sejam menos frequentes. The Witcher retorna à Netflix em 17 de dezembro.