Como se levar um tiro não fosse ruim o suficiente, uma bala que ficou alojada no joelho de um homem lhe causou envenenamento por chumbo e um ataque desagradável de artrite 14 anos depois do incidente.

• Em caso inédito, mulher brasileira dá à luz depois de receber transplante de útero de doadora falecida
• Inteligência artificial consegue identificar Alzheimer seis anos antes de diagnóstico clínico

O conto médico curioso foi publicado como um estudo de caso na quinta-feira (20) no New England Journal of Medicine, como parte da seção regular e frequentemente peculiar de “Imagens em Medicina Clínica”.

De acordo com o relato, o homem de 46 anos de idade foi à sala de emergência de um hospital de Chicago com dor no joelho esquerdo. O homem relatou um histórico de dor crônica no joelho, mas disse que ela estava ficando cada vez pior. E, quando os médicos o viram, seu joelho já estava inchado.

Ao analisar o histórico médico do homem, os profissionais descobriram que o homem havia levado um tiro nesse mesmo joelho 14 anos atrás. Os médicos que trataram o homem pela ferida inicial fizeram radiografias, que mostraram uma bala praticamente intacta alojada perto da articulação do joelho. Eles decidiram deixar a bala onde estava.

Quando os novos médicos realizaram seus próprios raios-x 14 anos depois, viram que a bala estava quase completamente fragmentada, com detritos metálicos nadando na articulação e no tecido em volta. Os exames de sangue também mostraram que o homem tinha altos níveis de chumbo, além de anemia, uma consequência comum do envenenamento por chumbo. Felizmente, não parecia haver quaisquer outros sinais de envenenamento crônico por chumbo, tais como deficiência cognitiva grave.

A partir daí, a história do homem termina abruptamente. Ele passou por terapia de quelação para retirar o chumbo de seu sistema. E, de acordo com os médicos, ele deveria permanecer para uma cirurgia de remoção de alguns dos tecidos inflamados em torno de sua articulação do joelho. Mas o homem deixou o hospital antes que a cirurgia pudesse acontecer, e os médicos não conseguiram entrar em contato com ele novamente.

Ainda assim, como acontece com muitas dessas histórias, há um momento de ensinamento para os médicos. Neste caso, a lição é que as balas que acabam perto das articulações de uma pessoa (conhecidas como balas intra-articulares na linguagem médica) devem ser tiradas o mais rápido possível.

“Além de causar danos articulares, as balas intra-articulares podem se fragmentar e se dissolver no líquido sinovial, levando à absorção de chumbo e envenenamento por chumbo sintomático tardio”, escreveram os médicos.

Incrivelmente, essa é uma lição que passou despercebida mais de uma vez. Não faltam estudos de casos médicos semelhantes ao longo dos anos, tratando de pacientes azarados que tiveram envenenamento por chumbo e dor articular crônica causada por balas alojadas há muito tempo.