Os tubarões existem há muito tempo, tendo surgido há mais de 400 milhões de anos. Novas pesquisas mostram que os ‘tubarões rastejantes’ tropicais apareceram há apenas 9 milhões de anos, tornando-os o tubarão mais recentemente evoluído no planeta.

O estudo publicado na Marine and Freshwater Research descreve nove espécies de tubarões rastejantes, todas vivendo nas águas do norte da Austrália, leste da Indonésia e perto da ilha da Nova Guiné. Os tubarões rastejantes já foram documentados antes, mas a nova pesquisa – uma colaboração entre a Universidade de Queensland, a Conservation International e várias outras instituições – os descreve em um contexto evolutivo, incluindo como eles se tornaram um gênero distinto.

Os tubarões rastejantes podem parecer uma ameaça para os turistas desavisados, mas são inofensivos para os seres humanos. Sabe-se que esses peixes de tamanho médio “andam” em terra, mas sua verdadeira casa é no fundo do mar, onde usam as barbatanas para caminhar de maneira distintamente quadrúpede. Equipados com sua camuflagem ornamentada, os tubarões caminham perseguindo pequenos peixes e invertebrados.

“Com menos de um metro de comprimento, em média, os tubarões rastejantes não ameaçam as pessoas, mas sua capacidade de resistir a ambientes com pouco oxigênio e caminhar nas nadadeiras lhes dá uma vantagem notável sobre suas presas de pequenos crustáceos e moluscos”, disse Christine Dudgeon, coautora do artigo e bióloga marinha da Universidade de Queensland, em comunicado à imprensa. “Essas características únicas não são compartilhadas com seus parentes mais próximos, os tubarões-bambu ou parentes mais distantes na ordem dos tubarões, incluindo os wobbegongs e os tubarões-baleia”.

No total, nove espécies de tubarão rastejante foram analisadas no novo artigo, todas pertencentes ao gênero Hemiscyllium. Cada espécie é “semelhante em tamanho corporal e morfologia, mas pode ser facilmente diferenciada com base em padrões de cores”, escreveram os autores no estudo, e todas as espécies “compartilham uma forma única de locomoção”, na qual usam seu “par altamente muscular de nadadeiras” para percorrer o fundo do mar enquanto procuram comida.

É importante ressaltar que a nova pesquisa sugere tubarões rastejantes se ramificaram em espécies há relativamente pouco tempo, e que os tubarões em geral são mais predispostos à evolução do que se costuma acreditar.

Hemiscyllium halmahera. Imagem: Mark Erdmann

“Nós descobrimos que os tubarões, que usam suas barbatanas para ‘andar’ em recifes rasos, só se separaram evolutivamente de seu ancestral comum mais próximo há cerca de 9 milhões de anos, e estão se espalhando ativamente em um complexo de pelo menos nove tubarões rastejantes desde então”, disse Mark Erdmann, coautor do artigo da Conservation International, em comunicado à imprensa. “Isso pode parecer muito tempo, mas os tubarões governam os oceanos há mais de 400 milhões de anos. Essa descoberta prova que os tubarões modernos têm notável poder evolutivo de permanência e a capacidade de se adaptar às mudanças ambientais”.

Como costuma acontecer na evolução, o ambiente desempenhou um papel crítico na formação desse gênero. O estudo citou atores como a alteração do nível do mar, formas de relevo emergentes, o surgimento de recifes e a disseminação de tubarões para novos locais como importantes impulsionadores de seu desenvolvimento evolutivo. Uma análise do DNA mitocondrial mostra que o Hemiscyllium emergiu depois que um grupo de tubarões migrou para longe de sua população ancestral e depois se tornou geneticamente distinto ao longo do tempo após se adaptar a seus novos habitats tropicais.

Sabe-se que os tubarões rastejantes existem em uma área limitada que inclui o norte da Austrália, Nova Guiné e algumas ilhas no leste da Indonésia. Hoje, esse alcance limitado os torna suscetíveis a ameaças como pesca excessiva e deterioração contínua de seus habitats.

Das nove espécies de tubarões rastejantes atualmente conhecidas, três já foram adicionadas à Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza, que lista as espécies em risco. Outros tubarões deste gênero poderiam muito bem ser adicionados a esta lista em breve. Os autores dizem que são necessários planos de gerenciamento de conservação sensatos para proteger esses animais aquáticos.

“Um reconhecimento global da necessidade de proteger os tubarões-rastejantes ajudará a garantir que eles prosperem, fornecendo benefícios aos ecossistemas marinhos e às comunidades locais através do valor dos tubarões como ativos turísticos”, disse Erdmann. “É essencial que as comunidades locais, governos e o público internacional continuem trabalhando para estabelecer áreas marinhas protegidas para ajudar a garantir que a biodiversidade do oceano continue a florescer”.

Os tubarões rastejantes podem ser os tubarões mais recentemente evoluídos no planeta, mas isso não garante sua sobrevivência contínua. Vamos torcer para que os esforços de conservação realmente trabalhem para preservar essas criaturas fascinantes.