O conceito de liberdade de expressão (e, por tabela, de liberdade de imprensa) não existe na Coreia do Norte. A Televisão Central do país asiático (KCTV) — único veículo local que serve como fonte de notícias do país para o Ocidente — vive para transmitir propagandas da família Kim, alguns programas infantis, shows de bandas militares e filmes sobre patriotismo e trabalho.

Há alguns anos, a KCTV fez um canal no YouTube como uma espécie de videolog mostrando todos os acontecimentos no país. Isso envolvia medidas tomadas por Kim Jong-Un e testes de armas nucleares, por exemplo.

Só que o canal saiu do ar depois de um tempo. Ao que tudo indica, o YouTube fechou o canal da rede televisiva por “violar as regras da comunidade”. Afinal de contas, ele fomentava coisas como armamento e ia contra a democracia de outros países.

Apesar de não dar muitas opções, nos últimos anos, o conteúdo televisivo do país passou a aceitar novos formatos. Isso inclui a presença de jornalistas mais jovens e despojados nas ruas e até câmeras áreas com drones para captar cenas cotidianas do país.

A TV também transmite outros tipos de programação, como jogos de futebol, mas essas transmissões nunca acontecem ao vivo. Um exemplo mais recente inclui o jogo da Premier League envolvendo o Brighton e Liverpool. O jogo que aconteceu oficialmente em 12 de março, foi transmitido pela KCTV só em 11 de maio, cerca de 8 semanas depois.

Apesar de todo o rigor e discrição, a KCTV tem um canal próprio na Twitch. Ele faz uma “retransmissão ao vivo” da TV norte-coreana. Então, se você quer ver e entender um pouco mais como funciona a programação televisiva do país, é possível acompanhá-la pela arroba “kctv_elufa”. Basta clicar neste link.

Vale ressaltar que, devido ao fuso horário, é possível que, durante o dia no Brasil, não apareça nada na transmissão do Twitch — já que é noite e madrugada no país asiático. Mas vale a pena dar uma chance à plataforma se você tiver sem sono durante uma madrugada.