O Uber é um serviço que compete com táxis através de motoristas com carro próprio. Ele está disponível em 45 países e mais de 200 cidades, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília. Ele é o precursor dos inúmeros apps de táxi que você conhece, e quer sair na frente mais uma vez, apostando em carros autônomos.

>>> Carro do Google não tem volante e dirige sozinho

O Uber formou uma parceria com a Universidade Carnegie Mellon (EUA) para desenvolver tecnologias de carros autônomos e de mapeamento. Isso levantou a dúvida: será que a empresa está fazendo isso para se afastar do Google?

A gigante das buscas tem uma relação muito próxima com o Uber. A Google Ventures investiu centenas de milhões de dólares na empresa; o Uber é integrado ao Google Maps para Android e iOS; e David Drummond, diretor jurídico do Google, faz parte do conselho administrativo do Uber.

Agora, o Uber anunciou que vai criar um laboratório de pesquisa em robótica para “dar o pontapé inicial no desenvolvimento de uma frota autônoma”, segundo o TechCrunch.

A empresa já teria contratado 50 cientistas seniores da Carnegie Mellon e do Centro Nacional de Engenharia Robótica (que está associado à universidade). Uma fonte diz ao TechCrunch que o Uber “fez a limpa” no instituto de robótica.

Interface do Uber no iPhone

O CEO do Uber, Travis Kalanick, já deixou claro que o futuro do seu serviço inclui veículos autônomos, sem “o outro cara no carro” recebendo um salário. Na verdade, a empresa tem uma relação contenciosa com os motoristas, reduzindo o valor pago a eles e punindo-os por obedecer a lei. Mas se Google e Uber são tão próximos, por que não fizeram uma parceria para carros autônomos?

É porque, segundo a Bloomberg, o Google está desenvolvendo um serviço concorrente de caronas. O serviço estaria sendo testado apenas entre funcionários da empresa. A diretoria do Uber estaria avaliando se Drummond, do Google, deveria sair do conselho administrativo por causa disso.

O projeto de carona aparentemente envolve os veículos autônomos. Ouvimos rumores sobre isso em 2013: o Google cogitava vender sua tecnologia de carros que dirigem sozinhos para ser incorporada em “táxis-robôs” que pegariam passageiros.

A tecnologia de carros autônomos ainda vai demorar um pouco para chegar ao mercado. O laboratório Google X acredita que eles levarão entre dois a cinco anos para tomar as estradas.

Por enquanto, parece que não há rivalidade entre Google e Uber: o Wall Street Journal diz que isso “ganhou proporções exageradas”, e as empresas ainda trabalham de forma muito próxima. Mas é no mínimo curioso ver que elas são tão parceiras, mas decidiram seguir caminhos independentes nesse caso. Veremos no que isso vai dar. [UberTechCrunchBloombergWSJ]

Imagens via Uber/Facebook