A Uber está abandonando sua divisão de carros autônomos, a Uber Advanced Technologies Group. A empresa vai vendê-la para a Aurora, uma startup focada em caminhões sem motoristas, em um acordo que pode criar uma empresa avaliada em US$ 10 bilhões, anunciaram as duas companhias na segunda-feira (7).

O sucesso ou o fracasso da Uber ATG há muito é visto como um indicador chave para determinar se a empresa vai parar de perder dinheiro e começar a lucrar. Os motoristas robôs permitiriam à empresa dispensar um número considerável de humanos e, potencialmente, libertar a empresa do escrutínio regulatório que ela enfrenta em estados como a Califórnia em relação ao tratamento dado aos funcionários terceirizados que dirigem sua frota. (Se a estratégia realmente funcionaria ou não, ainda não está claro.)

Antes da venda desta semana, a Uber ATG tinha ganhado as manchetes graças a um processo que já vem ocorrendo há anos contra a concorrente Waymo envolvendo um engenheiro condenado por roubo comercial. Outro marco de um de seus veículos autônomos foi se tornar o primeiro a se envolver na morte de um ser humano, a pedestre Elaine Herzberg, em 2018.

A Uber testou carros autônomos em várias cidades, mas, apesar de centenas de milhões de dólares em investimentos, ainda está longe de realizar seus sonhos de uma força de trabalho robótica perfeita, que nunca reclama ou pede aumentos de salário.

Portanto, ela parece estar tentando reduzir seus prejuízos e redirecionando seu foco para outro lugar: de acordo com o New York Times, a Uber na verdade vai pagar à Aurora para tirar a unidade autônoma de suas mãos, já que o acordo de “venda imediata” fará com que a Uber invista cerca de US$ 400 milhões na empresa combinada.

A Uber também terá uma participação de 26%, e o CEO Dara Khosrowshahi entrará em seu conselho de diretores. Recentemente, no ano passado, um acordo com a Denso e a SoftBank Vision Fund fixou o valor da ATG em US$ 7,25 bilhões.

Apesar da aquisição da ATG, o CEO e cofundador da Aurora, Chris Urmson, disse ao Times que o foco de curto prazo da empresa permanecerá no transporte rodoviário. Khosrowshahi disse ao jornal que esperava trazer a tecnologia Aurora ao mercado “nos próximos anos”, mas não fez mais comentários.

A Uber já vinha perdendo bilhões por ano, e sua principal divisão de transportes por carros particulares foi duramente atingida pela pandemia de coronavírus. A empresa também está vendendo seu negócio de táxi aéreo, o Uber Elevate, para a Joby Aviation. Isso poderia ser descrito como algo previsível. Como observou o TechCrunch, a Uber também recentemente vendeu sua unidade de patinetes e bicicletas, Jump, e uma participação em seu negócio de transporte rodoviário Uber Freight.

O acordo com a Aurora ainda deixará a Uber no mercado de veículos autônomos e dará à empresa a chance de licenciar qualquer tecnologia resultante.

“A Uber ainda pode permanecer no jogo sem gastar a enorme quantia de dinheiro que estava gastando com a ATG, e ainda ter um caminho aberto para o mercado quando essa tecnologia for realmente implantada daqui a vários anos”, disse o cofundador e CEO da Phantom Auto, Elliot Katz, ao Times.

“Uma das coisas mais divertidas que faremos nos próximos 60 dias é reunir as duas equipes”, disse Urmson ao TechCrunch. “E então olhar de forma objetiva qual é a tecnologia que vai acelerar nosso primeiro produto para o mercado e, em seguida, amplificar isso — seja da equipe Aurora existente ou para a nova equipe Aurora — e levar isso para frente, sejam ideias, códigos ou partes de hardware, juntos para acelerar nosso tempo de chegada ao mercado.”