Não faz nem um mês que a Uber anunciou que estava deixando de operar na Colômbia e a empresa já está de volta ao país, segundo comunicado da companhia. Para passageiros e motoristas, esse retorno parece algo confuso, já que nada parece ter mudado.

Basicamente, para se enquadrar na legislação colombiana, a Uber decidiu apostar no discurso de que é uma empresa de tecnologia, responsável apenas por um aplicativo que funciona como mediador para que uma pessoa possa alugar um carro com motorista.

Assim, a estratégia consiste em um modelo de negócio temporário que oferece cinco tipos de serviços e requer que o passageiro assine uma espécie de contrato de aluguel sempre que precisar chamar um carro. Ao final de cada corrida, o contrato é rescindido e, quando o usuário for pedir (ou “alugar”, como diz o comunicado) outro carro, um novo contrato é gerado.

Apesar desse novo modelo baseado em contratos, a Uber explica que o passageiro ainda poderá pagar utilizando diferentes métodos de pagamento, como acontecia antes, e os motoristas continuarão recebendo os pagamentos semanalmente.

Os cinco serviços oferecidos no aplicativo agora são: PorHoras, UberYa, Economy, Comfort e UberXL. Entre eles, o único que difere mais do que a plataforma já oferecia antes é o PorHoras, que permite que as pessoas aluguem um carro com o motorista e paguem pela quantidade de horas que o serviço foi utilizado. Assim, é possível ter mais flexibilidade para passear pela cidade durante um dia inteiro, por exemplo, o que pode ser uma boa opção para turistas.

Já o UberYa é praticamente o mesmo serviço tradicional oferecido anteriormente; Economy contempla as corridas com modelos de veículos mais antigos e preços mais acessíveis (nesse caso, está disponível apenas em algumas cidades); Comfort é o serviço premium padrão da plataforma; e UberXL é para quem precisa de veículos mais espaçosos.

Segundo o El Tiempo, o Ministério dos Transportes da Colômbia disse que ainda não teve contato com a empresa sobre o assunto e que estão avaliando o anúncio feito pela Uber essa semana.

Em janeiro deste ano, a Uber havia anunciado sua saída da Colômbia após um longo processo movido contra a empresa pela Cotech, uma operadora local de táxis. A ação foi baseada no argumento de que o aplicativo de transportes incentivava a concorrência desleal. Diante disso, a Superintendência de Indústria e Comércio do país determinou que a companhia deveria interromper seu serviço no país.

Na época, a Uber havia dito “adeus”, mas esperava que fosse um “até breve”. E foi breve mesmo.

[Uber, El Tiempo]