A Califórnia tem sido o campo de batalha legal da luta contra plataformas de trabalho temporário e, sem surpresa, Uber, Postmates e outras empresas da “economia do bico” fizeram de tudo ao seu alcance para desafiar a necessidade de reclassificar suas forças de trabalho como funcionários. Mas uma decisão de segunda-feira (10), no Tribunal Distrital Central do estado, sugere que eles podem estar prestes a perder.

O que faz da Califórnia um campo de batalha – além de ser o estado de origem de muitas dessas empresas – é a aprovação da AB5. A lei estabelece uma definição muito mais rigorosa para o que constitui um contratado independente, em oposição a um funcionário, o que obrigaria a Uber e empresas semelhantes a oferecer proteções básicas de trabalho, como pagamento de horas extras e assistência médica. Depois de aprovada a legislatura estadual em setembro passado, a AB5 entrou em vigor em 1º de janeiro. Uber e Postmates quase imediatamente apresentaram um pedido de liminar.

Na segunda-feira (10), a juíza Dolly Gee, que está presidindo o caso (Lydia Olson, et al. V. Estado da Califórnia, et al) negou a moção.

Embora a decisão não tenha impacto imediato sobre os trabalhadores para o bem ou para o mal, “a negação da liminar confirma o que sabemos há muito tempo: os argumentos que Uber e Postmates estão defendendo para evitar o cumprimento das leis básicas de trabalho provavelmente não serão bem-sucedidos”, escreveu Veena Dubal, professora de direito da Universidade da Califórnia em Hastings, ao Gizmodo.

Em sua negação, a juíza Gee detalha por que a liminar é desnecessária, citando que a AB5 não tem como alvo específico as empresas de trabalho temporário, nem impede que os contratados realizem qualquer tipo de trabalho que desejam fazer. O mais convincente é que a juíza Gee desonra a estratégia do Uber de argumentar (publicamente) que o novo padrão da AB5 não seria aplicável a seus motoristas enquanto (em particular, em tribunal) alega que essa lei prejudica seus contratos existentes com os motoristas.

“A juíza Gee viu claramente o impacto potencialmente devastador que o bloqueio da aplicação do AB 5 teria sobre motoristas de corridas compartilhadas e trabalhadores de aplicativos em toda a Califórnia”, escreveu Chris Chandler, organizador de motoristas da Rideshare Drivers United (RDU) de Los Angeles, ao Gizmodo. “Este é um sinal de afirmação do Tribunal de que a RDU está do lado certo da história quando se trata da AB 5 e a Uber precisa acelerar e começar a seguir a lei”.

A Federação dos Trabalhadores da Califórnia, uma coalizão de mais de 1.200 sindicatos, concordou: “Aplaudimos a decisão de hoje de negar o estratagema legal da Uber e do Postmates para continuar fugindo da lei da Califórnia sob a AB 5. Convocamos essas empresas a seguir a lei imediatamente reconhecendo seus motoristas como funcionários e fornecendo a esses motoristas as proteções básicas que lhes foram negadas há muito tempo”, afirmou a organização em comunicado enviado ao Gizmodo.

A decisão prenuncia uma luta difícil para as empresas que trabalham com profissionais independentes, não apenas legalmente, mas em seus esforços para conseguir apoio de seus próprios não-funcionários. Essas empresas tentaram estabelecer uma falsa correlação entre status de contratado e flexibilidade no trabalho, com a esperança de que a perda dessa flexibilidade possa convencer os trabalhadores baseados em aplicativos na Califórnia a se oporem à AB5.

Mas, na decisão de segunda-feira, a juíza Gee afirmou que “as evidências apresentadas pelos autores indicam que, segundo estudos acadêmicos, ‘a maioria dos trabalhadores não valoriza a flexibilidade de expediente’ e apenas uma ‘parcela substancial’ – por inferência, menos que a maioria – ‘está disposta a desistir de uma grande parte de seus ganhos para evitar a discrição do empregador no estabelecimento de horários’”. Gee acrescentou que “dos 395.000 ou mais motoristas da Uber e/ou Postmates, uma maioria pode ser favorável – ou pelo menos neutra – à aplicação da AB5 à sua classificação de trabalho.

A Uber, naturalmente, está levando as coisas de uma forma bastante difícil. “Os legisladores estaduais tiveram a oportunidade de expandir os benefícios para centenas de milhares de trabalhadores independentes na Califórnia, um passo que a Uber tem defendido e que outros estados já deram. Em vez disso, eles aprovaram a AB5 usando um processo tendencioso e abertamente político que ignorou as vozes dos trabalhadores mais afetados pela lei e concedeu tratamento preferencial a um grupo arbitrário de indústrias”, escreveu um porta-voz da Uber. “Estamos nos unindo a um grupo crescente de empresas e indivíduos para garantir que todos os trabalhadores sejam igualmente protegidos pela lei e possam escolher livremente a maneira como desejam trabalhar”.

Até agora, Uber, Lyft, Postmates e outros ajudaram a financiar grupos afiliados, como as coalizões Sou Independente e Protegemos Motoristas e Serviços baseados em Aplicativos. Além de organizar contra-protestos e pagar pela retaliação da mídia, as empresas pretendem desafiar a AB5 por meio de uma votação estadual em novembro deste ano, que eles esperam que revogue a lei completamente.

O Postmates considerou a decisão uma “decepção” e enfatizou que tem a opção de apelar. Em uma declaração, a empresa acrescentou: “Como testemunhado por caminhoneiros, jornalistas freelancers e inúmeras outras ocupações, a AB5 está prejudicando os trabalhadores em toda a economia, e o Postmates permanece comprometido com a modernização da classificação e proteção dos trabalhadores e vê nossa conversa com eleitores, nossa conversa legal com motoristas e nosso alcance contínuo a todos stakeholders como peças críticas para uma solução duradoura, pró-trabalhador e pró-inovação, que preserve a flexibilidade e a autonomia dos trabalhadores da Califórnia e, ao mesmo tempo, traga benefícios significativos”.

“É errado ter milhares de motoristas nas ruas todos os dias que não têm dinheiro para procurar um médico ou colocar comida na mesa”, escreveu Shona Clarkson, organizadora do Gig Workers Rising. “Estamos pedindo a nossas agências de execução para forçar a Uber a obedecer à lei. Os motoristas não vão parar de se organizar até obterem salários, benefícios e uma voz no trabalho”.