A Comissão Europeia está propondo a proibição de cerca de 10 itens de plásticos descartáveis de uso único. De acordo com o órgão, esses itens correspondem a aproximadamente 70% de todo o lixo nas águas e praias da União Europeia, incluindo talheres, canudos, cotonetes, pratos, algumas xícaras de café e misturadores.

• Cientistas criam acidentalmente enzima que digere o plástico
• Ainda nem colonizamos a Lua e ela já está coberta com mais de 180 toneladas de lixo

De acordo com a reportagem da CNN, a iniciativa faz parte de um plano maior da economia europeia de deixar de lado produtos de uso único que acabam indo direto para o lixo ou para as ruas:

A legislação não diz respeito apenas a proibição de produtos plásticos. A intenção é que os produtores de plástico arquem com o custo de limpeza e gestão de resíduo, propondo que as nações da União Europeia coletem 90% das garrafas plásticas descartáveis até 2025, por meio de novos programas de reciclagem.

A Comissão Europeia estima que esses regras, uma vez implementadas por completo em 2030, poderá custar à indústria mais de € 3 bilhões (quase R$ 13 bilhões) por ano. Mas ela também pode poupar dos consumidores cerca de € 6.5 bilhões (R$ 28 bilhões) por ano, criar 30 mil empregos e evitar custos de € 22 bilhões (R$ 95 bilhões) com danos ambientais e limpeza.

A CNN aponta que a taxa de reuso de plástico é vergonhosa se comparado com outros produtos: enquanto apenas 14% de todo o plástico usado no mundo todo é coletado para reciclagem, o índice para papel é de 58% e para ferro e aço é de cerca de 90%. Cientistas concluíram que a Grande Porção de Lixo do Pacífico, uma área do oceano em que grandes quantidades de plástico descartados acabam se juntando, cresceu para pelo menos 87 mil toneladas de resíduos que acabam com a vida marinha.

A proibição não significa que os consumidores na União Europeia não poderão mais usar esses itens de uma hora para outra; em vez disso, produtos como garfos e facas de plástico com “alternativas prontamente disponíveis” seria substituída por produtos feitos com materiais mais amigáveis ao meio ambiente, como bioplástico. O Reino Unido, que prevê sair da União Europeia na época em que o plano deve começar a ser implementado, em maio de 2019, já está considerando implementar regras similares por conta própria.

“Europeus precisam agir juntos para combater esse problema”, disse Frans Timmermans, vice-presidente da UE, ao Independent. “As propostas de hoje reduzirão o consumo de plástico descartável em nossas prateleiras de supermercados a partir de uma série de medida. Iremos proibir alguns desses itens e substituí-los com alternativas mais limpas, para que as pessoas ainda possam consumir seus produtos favoritos”.

O grupo da indústria de plástico Plastics Europe disse à CNN que apoiam o objetivo em teoria, mas sua posição é de que proibições “não são a solução” e que “produtos alternativas talvez não sejam mais sustentáveis”.

[CNN Money]

Imagem do topo: Produtos plásticos em um restaurante francês em 2016. Crédito: AP