O melhor uísque da Terra está a caminho do espaço.

No começo da semana, a destilaria Suntory anunciou que enviará bebidas alcoólicas ao Kibo, o módulo japonês da Estação Espacial Internacional (EEI). Infelizmente, astronautas não poderão saborear a bebida terráquea. Em vez disso, o uísque será usado para experimentos: cientistas querem saber como a microgravidade pode fazer o álcool envelhecer mais rapidamente. O projeto faz parte de uma colaboração com a JAXA, a Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial.

O uísque será enviado do Japão para a EII ainda neste mês, e a bebida será dividida em dois grupos. No primeiro grupo, ela será estudada por um ano em microgravidade, enquanto o segundo a experimentará por dois anos ou mais.

Em um release, a Suntory diz: “Com a exceção de alguns itens como cerveja, bebidas alcoólicas são conhecidas por desenvolver sabores mais maduros com o decorrer dos anos.” Mas? “Ainda não sabemos por completo como isso ocorre”. Então a equipe espera que os experimentos solucionem alguns mistérios alcoólicos. De acordo com um representante da companhia, a pesquisa sugere que ambientes com menores mudanças de temperatura — como, digamos, um satélite em órbita terrestre baixa — contribuem para o amadurecimento do uísque.

O estudo, chamado “Elucidando o Mecanismo de Amadurecimento de Bebidas Alcoólicas”, surge em um período em que o uísque japonês passa por um grande momento global. Ano passado, o uísque da Suntory foi nomeado o melhor do mundo, vencendo até mesmo a Escócia, a capital mundial da bebida.

Acelerar o processo de maturação em condições adversas não é algo novo no mundo científico. Inclusive, já acontece há algum tempo, desde kombucha à bordo da Estação Espacial Internacional, a cerveja fermentada com levedura espacial. [Suntory via Quartz and Wall Street Journal]

Foto de capa: masaomi/Flickr