As pessoas que ocasionalmente caem em uma toca de coelho da internet em seus smartphones tarde da noite podem descansar mais facilmente – pelo menos de acordo com os resultados de um novo estudo feito com camundongos. Pesquisadores descobriram que pequenas exposições à luz à noite não necessariamente atrapalham o seu relógio biológico, incluindo os hábitos de sono.

Os pesquisadores usaram camundongos para estudar o ritmo circadiano. Tanto nesses roedores quanto em humanos, o ritmo circadiano é controlado principalmente pelo núcleo supraquiasmático do cérebro (NSQ), uma pequena região encontrada no hipotálamo. Um aspecto crucial do NSQ envolve a regulação do nosso ciclo de dormir/acordar ou claro/escuro. Há muito se pensa que qualquer tipo de exposição à luz dos nossos olhos afeta o NSQ e, portanto, pode afetar nosso sono.

“Informações de luz entram no NSQ, e é isso que sincroniza todos os relógios do corpo com o ciclo claro/escuro”, disse a autora principal Tiffany Schmidt, neurogeneticista da Northwestern, em um comunicado da universidade. “Esse marcapasso principal garante que tudo esteja em sincronia”.

Schmidt e sua equipe queriam testar essa teoria de longa data de que o NSQ responde a qualquer exposição à luz. Por isso, eles criaram camundongos que tinham células nervosas sensíveis à luz na retina que só eram capazes de se comunicar com o NSQ. Em seguida, eles expuseram esses animais à luz por curtos períodos de tempo.

Como os roedores, ao contrário das pessoas, são noturnos, a luz deveria tê-los feito querer adormecer. Mas, em vez disso, eles apenas continuaram com sua rotina, dormindo e acordando normalmente. Sua temperatura corporal, que flutua previsivelmente antes, durante e depois do sono, também seguiu o mesmo padrão observado em camundongos com ritmos circadianos normais.

O que isso poderia significar, segundo os autores, é que nossos cérebros respondem à luz aguda – significando breves exposições à luz – através de um caminho neural diferente do que é usado por longos períodos de exposição à luz, um caminho que não envolve o NSQ.

“Se esses dois efeitos – exposição à luz aguda e de longo prazo – fossem impulsionados pelo mesmo caminho, então cada pequena exposição à luz correria o risco de mudar completamente os ritmos circadianos do nosso corpo”, disse Schmidt.

Os resultados serão publicados esta semana na revista eLife.

Camundongos e seus cérebros não são um modelo perfeito para estudar os seres humanos, obviamente. E ainda que o mesmo princípio geral se aplique a nós, Schmidt e sua equipe dizem que não há uma pista clara sobre onde esses outros caminhos poderiam existir no cérebro. E há, sem dúvida, um ponto em que ficar exposto à luz tarde da noite por muito tempo ou com muita frequência pode começar a afetar nosso relógio biológico – mesmo que esse ponto ainda seja um mistério no momento. É preciso haver muita pesquisa para estudar essas e outras questões.

O que está claro, advertiram os autores, é que a exposição crônica à luz noturna e as perturbações ao nosso sono que ela pode causar, podem ser muito prejudiciais à saúde. Em outras palavras, não use este estudo como uma desculpa para começar a assistir regularmente à Netflix até às 4h da manhã.

“Luz na hora errada do dia é agora reconhecida como uma substância cancerígena”, disse Schmidt. “Queremos que as pessoas se sintam alertas enquanto estão expostas à luz, sem correr os riscos de saúde associados a ritmos circadianos alterados, como diabetes, depressão e até mesmo câncer”.