Há alguns meses, falamos sobre uma consequência imprevista da maior usina solar do mundo. Os 350.000 espelhos que refletem luz solar da atmosfera fazem isso com uma intensidade tão forte que basicamente gera um enorme raio mortal. Os pobres pássaros que voam por perto não resistem – eles são fritados ainda no ar.

Não é um problema pequeno. Fontes da Associated Press dizem que um pássaro morre a cada dois minutos, em média, nas instalações de US$ 2,2 bilhões da Ivanpah Dry Lake. O problema é preocupante o bastante para investigadores de vida selvagem do governo dos EUA quererem impedir que a BrightSource Energy, proprietária da usina, abra outra fazenda solar ainda maior diretamente no caminho de voo de mais de 100 espécies de pássaros, incluindo águas e falcões peregrinos. A usina seria quatro vezes mais perigosa às aves do que a atual.

atp8qkesv3iydpbjc3mb

Mas não se preocupe, a BrightSource Energy tem uma solução. Um dos executivos da empresa disse à AP que a BrightSource vai gastar US$ 1,8 milhão em compensação pelas mortes de aves na nova usina. O dinheiro, ele diz, poderá ser usado para castrar e neutralizar gatos – que matam milhares de aves anualmente.

A ideia cria mais questões do que respostas. Como exatamente castrar e neutralizar gatos impedirá que eles matem aves – tirando o fato de que eles se reproduzirão menos? Não seria uma solução melhor encontrar uma forma de não lançar um raio mortal gigante nas pobres e inocentes aves? A AP diz que “críticos dizem que nada seria feito para ajudar as aves no local.” E esses críticos parecem estar certos! [SploidAP]

[ATUALIZAÇÃO] Entramos em contato com a NRG Energy, proprietária majoritária do projeto Ivanpah, e eles têm outras ideias para a questão dos pássaros.

A empresa diz estar trabalhando com organizações locais de vida selvagem e está analisando diversos esforços de dissuasão aviária, incluindo os mesmos sistemas usados em aeroportos para manter aves distantes deles. Algumas das opções sob consideração incluem dispositivos anti-empoleiramento, sistemas de contenção de resíduos e água para evitar que aves procurem comida na região, substituição da iluminação convencional por LEDs anti-pássaros, e métodos de dissuasão sonora. O diretor de comunicações Jeff Holland explicou o andamento desses projetos em um e-mail:

Em relação aos esforços em andamento, a contenção de resídios e água está sendo feita diariamente e o reposicionamento heliostático está completo. O dissuasor sônico foi comprado e está em processo de testes. A iluminação nas torres está sendo desligada durante a noite e ofertas para a substituição da iluminação terrestre por LEDs foram feitas nesta semana, e estamos em fase de compra a instalação.

Para sermos justos, a NRG parece estar levando a questão bem a sério. Holland me disse que a empresa gastou “US$ 25 milhões para nosso programa de tartarugas do deserto, e está desenvolvento um plano altamente qualificado e cientificamente válido para aves.” E não vamos esquecer que a energia solar é uma coisa muito boa e a usina produz muita dela. Ainda assim, é uma pena por todos os pássaros mortos.