Nós já discutimos por aqui que um tablet com Android 2.2 pode até fazer algum sentido: caso ele seja bem barato e tenha uma ou outra habilidade bacana, ele talvez encontre um nicho de mercado no Brasil. Mas falamos disso quando a Semp Toshiba lançou o myPad por R$1399 — nada barato. Agora surge a Multilaser, outra marca brasileira, prometendo seu tablet, o Life, por R$799.

O Life tem uma configuração típica de um tablet barato, com altos e baixos por todo o lado: ele tem processador Freescale A8 de 1,2GHz, 4GB de memória interna, memória RAM de 512MB e Wi-Fi. A parte ruim vem na tela, com 8 polegadas e resolução pífia de 800 por 600 pixels, e a promessa de duração de bateria de 4 horas em stand-by e 2,5 horas em exibição de vídeo — menos do que um smartphone!

Por dentro, o aparelho leva o Android 2.2 e não há previsão alguma de atualização. A Multilaser pensa grande e quer vender 70 mil unidades do Life, que já está sendo montado em Extrema, em Minas Gerais, e que em breve terá suas peças fabricadas no país. O tablet chega nas primeiras semanas de junho às lojas. E então? Por metade do preço dos tablets topo de linha, vale a pena levar um modelo da Multilaser para casa?

E a medida provisória dos tablets?

A Multilaser diz que os R$799, que já colocam o tablet como o mais barato do Brasil, podem cair caso a MP dos tablets seja aprovada. As notícias dão conta de que ela será confirmada ainda esta semana. Há promessas por parte do governo de um corte de 30% — podendo chegar a até 36% — mas devemos tomar cuidado com o exagero otimista por parte de ministros.

Continuaremos de olho nas informações e, assim que a medida provisória for realmente real, prometemos dissecar a história e entender se realmente teremos tablets produzidos no Brasil com um corte drástico de preço. Só não vale dizer que a MP é resultado do #preçojusto, né? [Folha e Info]