Experimentos em laboratório mostram evidências de que Vênus pode estar vulcanicamente ativo.

A Terra é o único planeta com vulcões ativos conhecidos (embora a lua Io de Júpiter seja bastante vulcanicamente ativa). Quanto a Vênus, uma espaçonave chamada Venus Express orbitou o planeta de 2006 a 2014 e coletou dados, mas observar diretamente a atividade vulcânica na superfície é difícil por causa de sua atmosfera espessa.

Um novo experimento de laboratório demonstrou que uma das observações da sonda poderia ser explicada pela atividade vulcânica de um dia que altera as rochas chamadas olivina.Os cientistas já haviam encontrado evidências de vulcões e fluxos de lava na superfície de Vênus, mas não conseguiam descobrir a idade desses fluxos.

Geralmente, os cientistas estudam a composição da superfície de um planeta com base nos diferentes comprimentos de onda da luz que ele emite e reflete. Mas, no caso de Vênus, eles têm menos linhas de emissão para trabalhar devido ao dióxido de carbono da atmosfera absorver parte da luz.

A caracterização completa dos minerais na superfície de Vênus requer simulações por computador e a compreensão de como as reações químicas, como a atmosfera gasosa que interage com os minerais da superfície após uma erupção, podem afetar os sinais observados pela Venus Express.

Um estudo publicado anteriormente pelos mesmos autores mediu as propriedades da olivina, um mineral que eles acreditam existir na superfície de Vênus, incluindo a quantidade e os comprimentos de onda da luz refletida após a oxidação em um forno a 600 e 900 graus Celsius. Após um mês de oxidação, a olivina desenvolveu uma camada enferrujada de hematita, alterando os comprimentos de onda da luz que refletia.

Isso é importante porque os resultados da Venus Express pareciam registrar a assinatura da olivina, de acordo com o artigo publicado na Science Advances. Mas se a olivina se oxida rapidamente sob a quente atmosfera de Vênus, a olivina observada pela Venus Express pode ter apenas meses de idade.

Os vulcões podem ter trazido a olivina para a superfície do planeta apenas alguns dias antes das observações da Venus Express. Essa evidência, combinada com picos ocasionais no dióxido de enxofre atmosférico que a Venus Express e o Pioneer Venus Orbiter registraram, é um argumento mais forte para que haja vulcões atuais em Vênus.

Esta pesquisa não é evidência direta de vulcanismo da superfície do planeta, é claro. Mas é motivação para outra missão para nosso vizinho pouco estudado e que poderá responder a essa pergunta com certeza — embora é possível que nossa tecnologia atual não consiga lidar com a atmosfera aterradora do planeta.