Um dia depois da publicação de uma matéria do Gizmodo Brasil sobre o suposto vídeo do agora governador de São Paulo, João Doria, com seis mulheres na cama, foi divulgado um novo laudo sobre o conteúdo. O documento indica que o vídeo não sofreu manipulação digital e que as características do homem são muito similares a do político; portanto, a conclusão dele foi de que trata-se mesmo de Doria nas cenas. O político nega que seja ele.

O novo laudo foi realizado pelo perito criminal Onias Tavares de Aguiar e divulgado na última sexta-feira (26) por alguns veículos de imprensa. O material ganhou tração quando o Yahoo! publicou uma nota. O link para acessar o laudo na íntegra, no entanto, indicava para um endereço da Revista Fórum, que também publicou uma nota sobre o caso.

O Gizmodo Brasil procurou Onias Tavares de Aguiar, que nos disse que foi contratado para a realização do laudo, mas que por razões de confidencialidade não poderia revelar quem pagou pelo serviço. Ele esclareceu ainda que não divulga seus laudos e que essa iniciativa partiu do cliente.

Em conversa por telefone, perguntamos a Aguiar por que não aparecem todos os frames do vídeo em seu laudo e pedimos para que ele comentasse alguns dos indícios que publicamos nesta matéria que não haviam aparecido em seu documento. O perito explicou que a versão do laudo publicada “era só uma minuta”, já que o cliente deu um prazo apertado e não seria possível montar todos os 600 quadros do vídeo no documento. Apesar disso, ele garante que fez a análise completa do conteúdo e incluiu os trechos que seriam suficiente para ter uma conclusão. “Quando fui ver, o laudo já estava na mídia. E quando chegou o laudo completo, a pessoa já não queria mais”, comentou.

Como o laudo pertence ao cliente que o contratou, nós não obtivemos acesso ao documento completo – apenas aquele que foi divulgado anteriormente.

Aguiar explicou ainda que algumas das deformações que apontamos em nossa matéria acontecem em razão da baixa qualidade e extrema compressão do vídeo, além dos algoritmos que produzem a montagem do material. “Esses vídeos geralmente são feitos em câmeras espiãs e o material resulta de um algoritmo. Às vezes, para obter um resultado satisfatório, o software repete um frame, pula outro, aproveita um trecho. E aí surgem algumas deformações”, explica.

Perguntamos especificamente sobre os dois trechos que mais nos chamaram atenção na matéria que publicamos: quando o personagem aproxima a mão do próprio rosto para ajeitar o travesseiro e há uma definição muito esquisita, além de um borrão, e quando olhos, nariz e boca do homem são “puxados” para a direita conforme o braço da mulher se aproxima de seu rosto.

Para o primeiro caso, Aguiar atribui a deformação justamente à baixa qualidade do vídeo e à iluminação. “Aquela iluminação que aparece à esquerda no vídeo, e que tem uma mulher na frente, interfere muito. Quando ele pega o travesseiro, há uma diferença de iluminação e a câmera perde o foco. Alguns dedos vão para trás do travesseiro e então ‘somem'”, disse.

Sobre o segundo trecho que pedimos para que comentasse, Aguiar disse que “o que acontece ali com o nariz dele não é natural mesmo, mas pode ser coisa do algoritmo que te expliquei. É um detalhe que não permite anular o vídeo como um todo”. O perito disse ainda achar muito difícil fazer uma montagem em um vídeo como esse, em que o ângulo da cabeça do personagem não é frontal. Segundo ele, daria muito trabalho e falhas apareceriam, “não seria tão perfeito como esse vídeo”.

“Todos os fakes que vi, são muito ruins e fáceis de serem detectados. Não duvido que tenham melhorado, mas um vídeo como este, cheio pontos de luzes, muita gente andando em volta, bloqueando as fotos de luzes, etc., é bem difícil de ser falsificado”, comentou.

O Gizmodo Brasil conversou com mais especialistas em edições de vídeo. Hao Li, cientista da computação especializado em computação gráfica e cofundador da Pinscreen, nos disse que “de primeira, o vídeo parece ser bem autêntico”.

“Não posso assegurar isso, uma vez que é possível trabalhar muito em cima de manipulação digital de vídeos caso você tenha tempo e recursos, especialmente com a ajuda de engenheiros. Pode ser um dublê também. Dizer se é mesmo Doria é difícil, uma vez que a iluminação é desafiadora e o nível de compressão muito alto”, comentou. “Acredito que provavelmente não foi um simples deepfake do jeito que está, muito menos feito por um amador, especialmente se levarmos em consideração a quantidade de oclusões [obstruções a abertura; neste caso, elementos que tapam o rosto da pessoa, como mulheres ou braços] e a dificuldade de rastrear rostos de forma tão precisa em cenários como esse”, concluiu Li.

Por fim, Li comentou que não poderia concordar com as conclusões da perita Roselle Sóglio, citada em nosso post anterior e que fez um laudo do vídeo para a Veja SP – a conclusão de Sóglio é de que se trata de uma montagem com a criação de uma espécie de “máscara digital” de João Doria, colando-a sobre as imagens reais do “ator” do vídeo. Sóglio escorregou ao dizer à revista que “em programas como o Adobe Premiere Pro, é possível inserir traços individuais de uma pessoa, como olheiras, papadas e contornos, um a um”. Dificilmente uma alteração digital como essa seria feita a partir do Premiere, mas sim com o auxílio do After Effects.

Li disse que poderia reavaliar o conteúdo caso um vídeo de melhor resolução apareça.

Doria nega

Horas depois de as cenas se tornarem virais, Doria gravou um vídeo ao lado da mulher, Bia Doria, negando a veracidade do conteúdo espalhado pela internet e repudiando a tentativa de difamá-lo. “Estou casado com a Bia há 26 anos, tenho três filhos que amo muito, respeito a minha família. Hoje eu vi um vídeo vergonhoso nas redes sociais, produzido por alguém que só quer o meu mal, o mal da minha família. Uma produção grotesca, fake news”, disse.

Na última quarta-feira (24), Doria enviou à Justiça Eleitoral um pedido de investigação sobre autoria do vídeo e apresentou um laudo contestando a veracidade do material, conforme reportagem do G1. O candidato contratou os peritos criminais Rosa Maria Coronato Melkan, professora da Academia de Polícia Civil do Estado de S.Paulo, e Marcos Olyntho Brandão Godoy, ex-diretor do Núcleo de Engenharia do Instituto de Criminalística de São Paulo, que indicaram que “a peça apresenta características de ser produto de montagem ou de simulação, mediante utilização de aplicativos disponíveis no mercado”. Para dar base à tese, os peritos apontaram as seguintes divergências:

• Formato dos dentes
• Corte de cabelo, notadamente na costeleta
• Antagonismo na forma física
• Ausência de pelos no tórax
• Ausência de corrente/cordão no pescoço