Esta semana, começou a circular pela internet um vídeo que mostra um hoverboard de De Volta para o Futuro II aparentemente voando. Havia muitas pistas de que isto era falso, e o Funny or Die enfim admitiu estar por trás deste viral. Mas nós ainda não sabemos ao certo por que eles fizeram isso.

“Se nós inspiramos uma pessoa a entrar nas ciências do hoverboard, considero isto uma vitória”, diz Christopher Lloyd, que interpretou o Dr. Brown, no vídeo de “desculpas”. “Torço que hoverboards sejam mesmo reais um dia. Vão! Façam isso acontecer! Por todos nós! Deus te abençoe.”

A pegadinha inclui até um site bastante profissional para a empresa fictícia HUVr Tech, que ajudou a enganar os desavisados. O domínio só foi registrado em 25 de novembro de 2013, pouco tempo para uma empresa com uma tecnologia tão revolucionária.

Aparentemente, o objetivo era dar de presente um hoverboard não-funcional para quem visitar a página do Funny or Die no Facebook: “vamos escolher aleatoriamente entre os que comentarem sobre este vídeo nas próximas 24 horas para ganhar um HUVr Board assinado por todo o elenco”. Isso inclui Tony Hawk, Moby, Billy Zane e o próprio Christopher Lloyd, entre outros.

Parece um motivo fraco para tanto esforço. Se isso fosse uma propaganda para a Mattel, até faria sentido: em 2012, a empresa lançou uma réplica do Hoverboard que custava US$ 120. Claro, ele não voava, mas prometia “deslizar sobre a maioria das superfícies”. Só que nem isso ele conseguia fazer:

Ele não desliza. Nem um pouco. Nem suavemente, nem bruscamente, nem nada. Não há qualquer deslizamento de qualquer espécie, porque isso é apenas um pedaço de plástico com um compartimento de pilha AA e efeitos sonoros do filme…

mattel hoverboard review

No fim, foi só uma pegadinha que acabou decepcionando nerds retrofuturistas como eu, mesmo que apenas por um breve momento.

Esta não é a primeira vez que o mundo é enganado com a promessa de hoverboards. Em 1989, o diretor de De Volta para o Futuro II foi à televisão e declarou que hoverboards eram reais. “Eles são uma realidade há anos, mas entidades parentais não permitem às empresa de brinquedo fabricá-los”, insistiu Robert Zemeckis. “Mas nós conseguimos pôr as mãos em alguns deles, e vamos colocá-las no filme.” Claro que era mentira – assim como o viral.

O vídeo de desculpas segue abaixo.