A Siri era uma novidade futurista quando chegou ao iOS em 2011. Nos anos seguintes, Google e Microsoft criaram assistentes virtuais melhores para ajudar você no dia a dia. Mas ainda há bastante espaço para melhorias, e os criadores originais da Siri acreditam que podem levá-la ainda mais longe.

A Wired relata as promessas do Viv Labs e sua pequena equipe de engenharia: eles querem fazer uma assistente de voz semelhante à Siri, mas desta vez a inteligência artificial (IA) – chamada simplesmente de Viv – vai “se programar em tempo real”.

Steven Levy explica o que isso significa:

Dê um comando complicado, como “Descubra um voo para Dallas com um assento em que Shaquille O’Neal poderia caber”. A Viv irá analisar a frase e, em seguida, executar seu melhor truque: gerar automaticamente um programa rápido e eficiente para reunir fontes de informações – digamos, Kayak, SeatGuru e um guia sobre a NBA – para identificar voos disponíveis com bastante espaço para as pernas. E ela pode fazer tudo isso em uma fração de segundo.

Este método permite à Viv realizar buscas complexas a partir de frases naturais. No Google Now, por exemplo, você poderia perguntar: “Em que cidade nasceu Abraham Lincoln?” e “Qual é a população?” para obter respostas separadas. No exemplo do Viv Labs, você pode perguntar “Qual é a população da cidade onde Abraham Lincoln nasceu?” e a Viv entenderia.

Hum… isso me faz lembrar de alguma coisa:

wolfram alpha viv

A diferença, claro, é que o Wolfram Alpha não funciona como assistente pessoal – ele não entende a pergunta envolvendo Shaquille O’Neal, por exemplo.

A Viv usará um “cérebro global” na nuvem, ao qual tanto usuários quanto desenvolvedores terão acesso. Ele constantemente aprende “algoritmos sofisticados para interpretar a linguagem e comportamento de pessoas que usam o sistema”, de acordo com a Wired.

O Viv Labs está nas fases iniciais desta nova IA e tem mais aplicações teóricas do que capacidades práticas. O grupo, evidentemente, adoraria ver a Viv implementada em dispositivos futuros, mas eles atualmente não contam com o apoio de nenhuma grande fabricante – será uma batalha difícil.

No entanto, a equipe acredita que a Viv poderá funcionar como um produto licenciado, oferecido a desenvolvedores de apps, fabricantes de automóveis e tudo mais, em vez de ficar preso a um sistema operacional.

Todas essas ideias de uma IA que evolui de forma autônoma são impressionantes. Mas imagine uma assistente virtual que se espalha por milhões de smartphones, carros, televisores, tablets e computadores usando um cérebro global – as comparações com HAL 9000 são inevitáveis. [Wired]