WhatsApp deve ter criptomoeda própria ainda no primeiro semestre deste ano

Segundo reportagem do New York Times, o Facebook está trabalhando para ter ainda neste ano uma criptomoeda para usuários do WhatsApp transferirem dinheiro.

Logotipo do WhatsApp em um smartphone

AP

No fim do ano passado, ouvimos falar que o Facebook estava trabalhando em uma criptomoeda para o WhatsApp que facilitaria, por exemplo, transações financeiras por meio do aplicativo. Agora, parece que os desenvolvimentos estão relativamente avançados, com previsão de a solução estar pronta ainda neste ano.

De acordo com reportagem do New York Times, que ouviu fontes que não puderam se identificar, o Facebook tem trabalhado em uma moeda para usuários do app de mensagens que facilitaria o envio e recebimento de dinheiro a amigos e familiares. E, pelo jeito, a situação está bem avançada, pois o jornal norte-americano cita que a rede social já até avisou algumas casas de câmbio de criptomoeda que o produto estaria pronto até o primeiro semestre deste ano.

Diferentemente de outras criptomoedas, o “dinheiro virtual do Facebook”, que ainda não tem nome (e que eu gostaria muito que se chamasse ZapCoin), será baseado no valor de moedas tradicionais, como dólar e euro, por exemplo.

Segundo o jornal, ter uma moeda com valor estável ajuda a afastar especuladores. Além disso, seria um fator de segurança para os usuários, que não precisariam se preocupar com um aumento ou queda abrupta em seu valor.

A princípio, o foco é o WhatsApp, porém, com a possível integração de mensagens entre Facebook, Messenger e do próprio WhatsApp, parece que a viabilização do serviço pode atender num futuro próximo as principais plataformas da companhia de Mark Zuckerberg.

Especulações à parte, o fato é que o WhatsApp tem flertado com essa ideia já há um tempo. Na Índia, o principal mercado do app, a plataforma oferece uma solução chamada WhatsApp Pay, em que é possível transferir dinheiro via mensagem, tendo como base tecnologias do sistema bancário local. Google, Alipay e WeChat Pay são outras companhias que atuam da mesma forma.

Resta conhecer ainda os detalhes dessa operação do Facebook. É importante saber se, por exemplo, o Facebook vai ser responsável por cada uma das transações ou se terá uma abordagem mais tradicional, como a do PayPal.

Telegram e Signal vão entrar na onda também

O WhatsApp não deve ser o único a ter uma moeda própria. O Telegram também está trabalhando para lançar sua criptomoeda, chamada Gram. No ano passado, a companhia levantou quase US$ 2 bilhões para financiar suas iniciativas no campo de moedas virtuais.

O Signal, que é mantido por uma fundação (que, inclusive, conta com o financiamento de um cofundador do WhatsApp), também está levando adiante o plano de concretizar uma moeda chamada MobileCoin.

Tanto a Gram como a MobileCoin devem ser lançadas nos próximos 12 meses.

O New York Times nota que essas empresas estão tentando evitar os riscos sofridos pelas muitas criptomoedas que surgiram por aí. O bitcoin, por exemplo, chegou a valer US$ 20 mil e hoje custa US$ 3.800.

Enquanto isso, o chinês WeChat Pay está nadando de braçada, oferecendo pagamento e recebimento de dinheiro no país com o maior número de pessoas conectadas do mundo.

[New York Times]

Sair da versão mobile