Algo de estranho está acontecendo no YouTube: o site vem recebendo e promovendo vídeos de pornografia coreana para mais pessoas verem, em vez de removê-los por violarem os termos de serviço.

Reino Unido quer restringir o tipo de conteúdo pornográfico que cidadãos podem acessar
Filme pornô é exibido em outdoor eletrônico durante congestionamento

Usuários notaram que um vídeo pornográfico da Coreia do Sul, com o texto “+18” na imagem de miniatura, está na seção “Em Alta”.

Isso também aconteceu comigo. Entre vídeos sobre a tragédia da Chapecoense, está lá o pornô não-solicitado, acumulando mais de seis milhões de visualizações:

youtube porn

A seção Em Alta estreou no YouTube em dezembro de 2015. Na época, o Google explicou ao VentureBeat que essa lista não é personalizada com base no tipo de vídeos que você gosta de assistir – ou seja, você não precisa ver pornografia para isso ser uma recomendação.

Além disso, ela não depende apenas de um algoritmo: “há um pouco de curadoria humana”, que aparentemente não viu que um vídeo para adultos está nessa seção. O serviço prometia “limitar o conteúdo, excluindo vídeos não adequados para menores de 17 anos” – o que não aconteceu aqui.

A lista varia de país para país, mas usuários fora do Brasil também notaram essa recomendação estranha:

https://twitter.com/Mokochy/status/803936686535245825

“Pornografia hardcore está começando a aparecer na minha lista Recomendado Para Você do YouTube.” (O usuário está no Canadá.)

O vídeo na seção Em Alta é do canal “Saccombank”, mas há outros canais enviando pornografia coreana para o YouTube também, como “Fisher Price” e “Lablety“.

youtube porn 2

youtube porn 3

Nos termos de serviço, o YouTube diz que pode remover esse conteúdo e cancelar as contas de usuário que estiverem envolvidas com material obsceno:

O YouTube se reserva o direito de decidir se o Conteúdo é apropriado e obedece a estes Termos de Serviço no que diz respeito a infrações outras que não as infrações ou violações das leis de direitos autorais, como por exemplo, mas sem se limitar, à pornografia, material obsceno ou difamatório, (inclusive difamação, calúnia ou injúria), ou excessivamente longo. O YouTube poderá a qualquer momento, sem aviso prévio e a seu exclusivo critério, remover tais Conteúdos e/ou cancelar uma conta de Usuário por enviar tais materiais que violam os Termos de Serviço.

Mas, até o momento, a pornografia está lá no YouTube. O Google ainda não se manifestou.

Obrigado pela dica, Vagner!