À beira de um processo de impeachment, o presidente Donald Trump, sofre mais um banimento na internet. Desta vez pelo YouTube, que suspendeu, por pelo menos sete dias, o canal do republicano na plataforma. Além disso, o serviço deletou o vídeo mais recente publicado por Trump devido ao risco de incentivar novos atos de violência, como o que aconteceu há exatamente uma semana no Capitólio, o Congresso dos EUA, em Washington.

O vídeo em questão era um clipe da C-SPAN mostrando o presidente conversando com repórteres enquanto deixava a Casa Branca a caminho do Texas. Nos comentários, muita gente escreveu que o vídeo era mais uma mensagem para inflar a violência nos apoiadores do presidente, ao mesmo tempo em que os apoiadores publicaram frases como “nossa jornada está apenas começando”.

“Após análise, e diante das preocupações sob o potencial [risco] contínuo de violência, removemos o vídeo mais recente enviado ao canal de Donald J. Trump por violar nossas políticas”, declarou o YouTube em seu perfil oficial de notícias à imprensa no Twitter. A plataforma também confirmou que desativou a exibição e postagem de comentários em todos os vídeos do canal do presidente.

A suspensão de Trump no YouTube segue outras grandes plataformas de rede social, que há uma semana estão banindo o presidente após seus tuítes serem usados como incentivo de invasão no Capitólio – a ação deixou cinco pessoas mortas, incluindo um policial e apoiadores de Trump. Na lista de empresas de tecnologia que aderiram ao bloqueio estão Twitter – por enquanto a única que suspendeu definitivamente a conta do bilionário republicano -, Facebook, Instagram e Snapchat.

O presidente Trump se recusou a assumir a responsabilidade pela invasão na semana passada. Nesta terça-feira (12), em sua primeira aparição pública após o atentado, Trump disse que um movimento pró-impeachment está surgindo contra seu governo, que se encerrará daqui uma semana, quando o democrata Joe Biden assumirá como novo presidente dos Estados Unidos.

[YouTube Insider]