O Ministério de Antiguidades do Egito anunciou novas descobertas arqueológicas em Luxor, destacada por uma notável “zona industrial” na qual trabalhadores fabricavam itens para tumbas da realeza.

O arqueólogo egípcio Zahi Hawass, que chefiou as escavações, fez o anúncio na semana passada em uma coletiva de imprensa em Luxor, conforma a reportagem do Ahram Online. Khaled El-Enan, ministro das antiguidades do Egito, juntamente com Mostafa Wazir, secretário geral do Conselho Supremo de Antiguidades, participaram da conversa.

Uma parte do local em East Valley. Imagem: Ministério de Antiguidades do Egito

As descobertas foram feitas no Vale Ocidental, comumente conhecido como Vale dos Macacos, e no Vale Oriental, também conhecido como o Vale dos Reis – o local onde o Rei Tutancâmon foi sepultado.

As escavações no Vale Ocidental, que começaram em 2017, revelaram uma zona industrial egípcia antiga na qual os ornamentos funerários eram produzidos em grande escala. É a primeiro vez que algo desse tipo é encontrado na área.

“Cada oficina tinha um propósito diferente”, disse Hawass à CNN. “Algumas eram usadas para fazer cerâmica, outras para produzir artefatos de ouro e outras ainda para fabricar móveis”.

Um fragmento de calcário descoberto num novo local de escavação no Vale dos Macacos. Imagem: AP

Dentro dessa região, os arqueólogos descobriram 30 oficinas, que consistiram de casas usadas para o armazenamento e a limpeza de móveis funerários destinados aos túmulos da realeza, disse Hawass, que acrescentou que a cerâmica encontrada no local remonta à Dinastia 18.

A 18ª Dinastia – de cerca de 1549 a.C. a 1292 a.C. – marcou o período em que o Egito emergiu como uma potência mundial.

Dentro desta área, os arqueólogos também descobriram um forno usado para queimar argila e metal e um “tanque” – ou, mais precisamente, um poço – que antes tinha água potável para os trabalhadores, de acordo com uma declaração do Ministério de Antiguidades do Egito publicada em sua página no Facebook. Assim, a descoberta poderia lançar luz sobre as condições de trabalho na época.

Esse buraco provavelmente armazenava água potável para os antigos trabalhadores egípcios. Imagem: Ministério de Antiguidades do Egito

Outros itens recentemente descobertos incluíram um anel de escaravelho, centenas de miçangas de entalhes (incluindo miçangas decoradas com as asas do deus egípcio Horus), e folhas de ouro usada para adornar caixões da realeza.

As escavações estão em curso no Vale Ocidental em uma ambiciosa tentativa de descobrir o túmulo da rainha Nefertiti e sua filha, a rainha Ankhesenamun – a esposa do rei Tutancâmon. A equipe também espera descobrir os túmulos de três faraós importantes: Rei Amenhotep I, Rei Tutmés II e Ramsés VIII, segundo a reportagem da CNN.

Diversos artefatos encontrados em Luxor. Imagem: Ministério de Antiguidades do Egito

No Vale Oriental, a equipe de Hawass encontrou um túmulo, designado como KV 65, que continha ainda alguns dos instrumentos utilizados para a sua construção. As escavações no Vale dos Reis foram descritas como sendo as maiores desde a época de Howard Carter, o famoso descobridor do túmulo do Rei Tutancâmon.

As escavações atuais estão acontecendo perto dos túmulos de Ramsés VII, Hatshepsut, e Ramsés III, de acordo com a Ahram Online.

As escavações no Vale Oriental perto do túmulo do Rei Tutancâmon resultaram na descoberta de outros artefatos, incluindo 42 pequenas cabanas usadas para armazenar ferramentas, segundo o Ministério das Antiguidades.

Os arqueólogos também encontraram algumas pinturas hieroglíficas, fragmentos de túmulos esculpidos, e anéis do período Ramesside, que iniciou a Dinastia 19 (1292 aC a 1189 aC).

É irreal como, depois de tantos anos de escavação, os arqueólogos egípcios ainda são capazes de descobrir novos túmulos, estruturas e artefatos. É uma prova da enorme pegada cultural deixada pelos antigos egípcios.