O Vantablack é um material incrível. Ele é tão escuro que não reflete quase nenhuma luz. Isto o tornou atraente para cientistas e até mesmo para artistas.

No entanto, um desacordo sobre quais artistas devem ter acesso ao pigmento criou uma guerra – e duas das principais pessoas nessa batalha entraram em um debate acalorado (e também ridículo).

O material mais escuro do mundo absorve ainda mais luz que o recordista anterior
IBM cria nanotubos de carbono para substituir o silício nos processadores do futuro

Criado pela empresa britânica Surrey NanoSystems, o Vantablack é a substância mais escura conhecida na Terra, absorvendo 99,965% de toda a radiação visível. A estrutura de nanotubos de carbono impede que os fótons saiam dela, e absorve lentamente sua energia.

Ele começou como uma proeza notável da ciência, e então foi aplicado no setor militar e aeroespacial. Mas foi somente em fevereiro que a Surrey NanoSystems liberou a substância para outros usos mais excêntricos.

Arte com Vantablack

O Vantablack foi disponibilizado para uso em obras de arte, e Anish Kapoor – o escultor por trás daquele feijão prateado gigante no Millennium Park de Chicago – garantiu os direitos exclusivos para usar o material.

De acordo com a Surrey NanoSystems, Kapoor mantém exclusividade porque o Vantablack “requer aplicação especializada para atingir seu efeito estético. Além disso, o desempenho do revestimento para além do espectro visível resulta na sua classificação como um material de dupla utilização que está sujeito ao controle de exportações do Reino Unido”.

Esse jargão significa que o uso do Vantablack nas indústrias aeroespacial e militar limita severamente as exportações do produto. Até mesmo as amostras para fins de exibição (como para uma escola ou museu) devem ser colocadas em uma caixa de vidro e distribuídas apenas em uma quantidade mínima.

A Surrey NanoSystems também acredita que é necessário um treinamento especial para usar o Vantablack por motivos estéticos (arte), e ao invés de criar um programa de treinamento para que artistas possam aprender a trabalhar com o pigmento, a empresa preferiu treinar um só estúdio – o estúdio de Kapoor.

Esse relacionamento exclusivo e secreto com Kapoor deixou outros artistas muito chateados. Há meses, a hashtag #SharetheBlack no Instagram e no Twitter vem acumulando queixas de artistas e fãs de arte.

O “rosa mais rosa”

No mês passado, um artista decidiu fazer algo sobre isso. Stuart Semple, de Londres, é conhecido por suas telas e obras de arte pública em grande escala. Ele não é o tipo de cara que quer que a arte seja escondida, nem que os recursos necessários para criá-la sejam restritos. Semple explica ao Gizmodo:

Ele [Kapoor] assinou um acordo exclusivo com os criadores do Vantablack que impede qualquer outro artista de usá-lo. Ninguém os forçou a entrar em um acordo como esse. É um pacto hediondo impulsionado pelo ego que impede todos os outros artistas de trabalhar com os inventores do Vantablack em projetos de arte.

Esta é a primeira vez na história que todos os artistas foram proibidos de usar uma substância. Ninguém mais é proibido, apenas artistas – é uma maneira muito desonesta de lidar com a situação.

Fresh batch! World’s pinkest #pink for www.cultureHustle.com #sharetheblack #paint #nofilter

Uma foto publicada por Stuart Semple (@stuartsemple) em

Em resposta ao “odioso pacto egoísta” de Kapoor, Semple criou seu próprio pigmento, The World’s Pinkest Pink (o rosa mais rosa do mundo), que apresenta o seguinte aviso:

Nós não temos realmente certeza se este é o rosa mais rosa do mundo, mas bem que poderia ser! É a cor rosa mais forte que pudemos criar, e não vimos nada igual.

Em seguida, Semple o disponibilizou para venda em seu site. Mas se você rolar para baixo a página do produto, você observa um acordo muito importante para comprar um frasco: você não pode adquirir o pigmento se seu nome for Anish Kapoor, nem se você pretende entregá-lo para Anish Kapoor.

*Nota: Ao adicionar este produto ao seu carrinho, você confirma que não é Anish Kapoor, que não está afiliado a Anish Kapoor, que não está comprando este item em nome de Anish Kapoor nem de um associado dele. Até onde você sabe e acredita, este pigmento não chegará às mãos de Anish Kapoor.

Kapoor, um dos mais conhecidos artistas da atualidade, que detém vários prêmios de prestígio e até mesmo o título de cavaleiro do império britânico, respondeu ao novo pigmento de Semple com um post bem-educado no Instagram:

  Up yours #pink   Uma foto publicada por Anish Kapoor (@dirty_corner) em

Então, Semple respondeu à afronta de Kapoor:

peace!!!! ✌?️ & ? #sharetheblack

Um vídeo publicado por Stuart Semple (@stuartsemple) em

Isso não é CGI: os dedos de Semple estão cobertos pelo que parece ser a substância mais escura da Terra. Emily Mann, colega de estúdio dele, diz ao Gizmodo que “por razões óbvias, não podemos dizer se Stuart está na posse de Vantablack”.

Semple caracteriza essa briga mais como “um ataque mesquinho do que uma disputa. Anish privou a comunidade artística de uma cor, roubou nosso pigmento rosa e nos mostrou o dedo do meio, enquanto nós apenas fazemos coisas bacanas, coloridas e brilhantes“.