Ele mede apenas sete átomos, mas de acordo com a cientista líder do projeto, Michelle Simmons, os computadores feitos com este transistor — o menor já feito — conseguirão "resolver problemas que, em um computador clássico, demorariam mais do que o tempo de vida do universo para serem resolvidos".

Simmons diz que o transistor é o primeiro que nos põe em um caminho sólido em direção à computação quântica, que ela acredita que vai estar disponível em aplicações comerciais em apenas cinco anos.

Desenvolvido pelo CQCT – Centre for Quantum Computer Technology da Universidade de New South Wales e pela Universidade de Wisconsin-Madison, a parte atômica é "o primeito dispositivo eletrônico em silício sistematicamente criado na escala dos átomos individuais". Isso significa duas coisas: Um, ele tem potencial para destruir e esmigalhar a Lei de Moore. Dois, ele eventualmente vai reduzir os CPUs atuais em um faor de cem, enquanto acelera a velocidade de processamento além dos nossos sonhos mais selvagens. [Atomic Fabrication Facility via Telegraphc]