Depois de Sean Parker, ex-presidente do Facebook, dizer que a rede social explora a psicologia humana em detrimento de seus usuários e o ex-executivo Chamath Palihapitiya implicar que o site talvez seja responsável por criar “ferramentas que estão destruindo nosso tecido social”, a companhia anunciou que colocará em prática uma nova política para combater truques de engajamento muito manjados.

Para ajudar a diminuir o número de publicações com iscas como “Curta se você é uma criança dos anos 90” ou “Compartilhe esse post para concorrer a um iPhone”, o Facebook desenvolveu um novo modelo de aprendizado de máquina que consegue identificar essas publicações e então deixar de priorizá-las para que apareçam menos no feed de notícias.

O uso de aprendizado de máquina pelo Facebook é algo relativamente novo, mas a iniciativa é só mais uma entre tantas para despoluir o seu feed de notícias. Todo esse movimento começou lá em 2014.

O Facebook disse também que nas próximas semanas começará a punir páginas que continuarem a utilizar esses truques de engajamento. No entanto, a rede social teve o cuidado de dizer que não punirá publicações que peçam ajuda ou apoio para causas positivas, como financiamento de caridades ou relatos de desaparecimentos.

Segundo a rede social, as páginas e negócios que forem pegos no truque do engajamento após o período de transição do algoritmo devem esperar que o alcance e o tráfego dessas publicações diminuam e os reincidentes perceberão mais “quedas significativas”.

Todas as imagens: Facebook