Foram meses de rumores, vazamento de algumas informações aqui e ali, mas enfim o iPhone X está entre nós. O aparelho, que celebra os dez anos de aniversário do lançamento do iPhone, foi anunciado nesta terça-feira (12), no Steve Jobs Theater, auditório inaugurado neste evento e localizado no Apple Park, novo campus extravagante da companhia em Cupertino, na Califórnia.

O iPhone X, ou 10, foi o anúncio de “one more thing…” da keynote de hoje e ele é certamente o iPhone mais interessante que a Apple lança em anos. O novo modelo abandona as telas LCD e o botão Home, evolui a tela de retina, traz carregamento sem fio e uma câmera frontal com reconhecimento facial para desbloquear o celular e animar emojis.

Uma senhora tela

O iPhone X o primeiro celular da Apple a ter o que a empresa chama de tela infinita, uma vez as 5,8″ dela ocupam a a parte frontal do celular quase que por completo — as pequenas bordas ao redor da tela (que não puderam ser eliminadas) ajudam a mostrar onde começa e onde acaba o telefone. O aparelho dispensa as telas LCD, dando boas vindas as telas OLED, que apresentam mais cores e melhor resolução — resolução esta que também foi promovida: são 2436 x 1125 pixels que completam o conjunto nomeado de Super Retina Display.

Como explicou Phil Schiller, vice-presidente de marketing, é a primeira vez que uma tela OLED se adequa aos padrões da Apple.

O iPhone X traz ainda suporte a HDR, HDR10 e Dolby Vision. A tecnologia True Tone ajusta de forma dinâmica o balanço de branco da tela, fazendo com que a leitura nela seja semelhante a ler em um papel.

Adeus botão Home (Olá, Face ID)

Os boatos são verdadeiros. O novo iPhone X não tem mais um botão físico abaixo de sua tela, o que é até compreensível quando levamos em consideração que ela ocupa quase que a parte frontal inteira do celular. Mas com o fim do botão Home, a função Touch ID também foi descontinuada. E agora, como é que eu vou desbloquear este celular?

Não por isso. Para substituir o reconhecimento de digitais, a Apple apresenta uma nova maneira de desbloquear o celular: Face ID. Essa nova tecnologia de reconhecimento facial em três dimensões desbloqueia o telefone assim que a câmera frontal reconhece o usuário — e, sim, você pode colocar óculos, mudar o corte de cabelo, as roupas e até deixar crescer a barba, pois a Apple promete que ele vai continuar a te reconhecer (inclusive no escuro!).

Os sensores de reconhecimento do iPhone X (que não são poucos), diferentes de outras tecnologias do tipo, usam mais de 30.000 pontos infravermelhos para garantir que uma mera fotografia do seu rosto não seja capaz de desbloquear o telefone.  A tecnologia do Face ID permite desbloquear o aparelho, além também de autorizar pagamentos no Apple Pay e a acesso a aplicativos de terceiros.

Além disso, para sair de um aplicativo e voltar a Home ou abrir a página de multitarefas, em vez de apertar o botão, é necessário apenas deslizar de baixo para cima para voltar a Home, e deslizar de baixo para cima e segurar o dedo na tela para abrir a página de multitarefas.

A Apple promete que a nova forma de desbloquear e manusear o iPhone X será tão prática e intuitiva quanto nos modelos anteriores.

Câmeras, câmeras e câmeras

A nova câmera frontal de 7 megapixels recebe o nome de True Depth. Além do reconhecimento em três dimensões, ela captura um grande número de cores, possui auto estabilização de imagem e um preciso controle de exposição. E assim como os modelos anteriores, ela também captura algumas incríveis selfies com o fundo desfocado.

Já na parte de traz, o iPhone X traz duas câmeras de 12 megapixels na vertical. Uma com lente grande angular de abertura ƒ/1.8 e um telefoto com abertura de ƒ/2.4. Um novo e melhorado sensor permite um processo avançado de pixels, maior captura de cores, autofoco mais rápido, inclusive em baixa luminosidade, e melhores fotos com o efeito HDR. O novo flash True Tone oferece duas vezes mais uniformidade da luz e inclui uma sincroniza mais lenta, resultando em uma melhor iluminação para o fundo da imagem.

Essa combinação simula as câmeras DSLR e permite registrar surpreendentes fotos com o fundo desfocado. A Apple também apresentou uma nova função fotográfica chamada Portrait Lighting, que combina flash e a profundidade e um mapa de profundidade do telefone para simular condições similares a um estúdio de fotografia. Apesar de ainda estar em beta, ele traz fotos com detalhamentos e modificações impressionantes:

As novas câmeras também permitem a melhor qualidade de vídeo já capturada por um celular, com melhor estabilidade de vídeo, resolução em 4K, 60 quadros por segundos e slow motion em 240 quadros por segundo.

Animoji

Além do Face ID, a nova câmera TrueDepth permite… animar emojis. Os sensores reconhecem suas expressões faciais e as transfere para um dos doze emoji disponíveis, incluindo um panda, uma raposa e, claro, o emoji de cocô.

A11 Bionic

Tudo isso é possível graças ao novo processador A11 Bionic que a Apple trará exclusivamente no iPhone X. Segundo a empresa, este é o mais rápido e poderoso chip a ser utilizado por um smartphone. Ele possui uma CPU de seis núcleos, sendo duas dedicadas a performance e outras quatro para eficiência — eles são 25 e 75% mais eficientes que o chip A10 Fusion, respectivamente.

O A11 Bionic é 70% melhor durante multitasking e ainda dá duas horas a mais de performance que o iPhone 7. A GPU presente no chip, de três núcleos, permite gráficos 30% mais rápidos que a geração anterior. O chip possui ainda uma rede neural que pode fazer 600 bilhões de operações de processamentos em tempo real por segundo.

Preço (bem) salgado

O iPhone X chega ao mercado dia 3 de novembro, com modelos de 64 GB e 256 GB de capacidade e custando a partir de U$ 999 (ai!). Preços e disponibilidade no Brasil não foram divulgados, mas eu prepararia o bolso se fosse você.