Uma equipe olímpica da Jamaica resolveu usar o Dogecoin, moeda virtual baseada em um meme, para arrecadar fundos: eles queriam participar dos Jogos Olímpicos de Sochi, na Rússia, mas não tinham dinheiro para a viagem. Assim começou a campanha Dogesled.

Esta história é uma convergência incomum de esportes olímpicos, moedas virtuais e nostalgia dos anos 90. E ela fez a taxa de câmbio de Dogecoin para Bitcoin disparar 50% em apenas doze horas.

Tudo começou no domingo, quando a equipe de bobsled jamaicana enfim se classificou para Sochi, e iria para os Jogos Olímpicos pela primeira vez desde 2002. (Bobsled é um esporte de inverno, no qual você desliza em um trenó por uma pista de gelo.)

O único problema é que a equipe não tinha dinheiro. Os dois esportistas, Winston Watt e Marvin Dixon, primeiro reuniram o próprio dinheiro e, depois, usaram o PayPal para doações. Mas Liam Butler, chefe da Fundação Dogecoin, descobriu a história e pensou que poderia fazer a diferença – esta é a página da campanha Dogesled.

Butler diz ao Guardian que “enviou alguns e-mails” e as doações começaram a chegar. Na página do Reddit dedicada ao Dogecoin, usuários também chamaram atenção para a campanha e, na segunda-feira de manhã, a Fundação Dogecoin tinha cerca de US$ 25.000 prontos para enviar aos jamaicanos do bobsled.

Eles então tiveram que correr para casa, saindo de um bar, para garantir uma boa taxa de câmbio ao converter o Dogecoin em moeda tradicional. “Por mais que tenhamos fé no Dogecoin para se tornar a moeda comunitária da internet, ainda acreditamos que a equipe precisa comprar suas passagens aéreas em uma moeda fiduciária”, disse Butler.

E, curiosamente, o Dogecoin realmente se tornou a moeda comunitária da internet, mesmo que apenas por um dia.

Agora a equipe talvez possa repetir a história do filme Jamaica Abaixo de Zero (Cool Runnings), de 1993, vagamente baseado na estreia da equipe jamaicana de bobsled nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1988. Much donation. So Sochi. Wow. [The Guardian]

jamaica bobsled dogecoin

Imagem por The Guardian (original por secretlondon123/Flickr)