Se você já está de olho nos preços de produtos para se planejar para a Black Friday no próximo mês, saiba que não é o único. Como de costume, o Google divulgou os resultados da pesquisa sobre as intenções de compra para a data no Brasil. Realizado pela Provokers entre 14 e 21 de setembro, o estudo contou com a participação de 1.500 pessoas de todas as regiões do país.

Assim como no ano passado, os celulares continuam liderando o ranking de categorias com maior intenção de compra. No entanto, um dos principais diferenciais em comparação com os resultados da pesquisa de 2019 é o impacto da pandemia de Covid-19 na decisão dos consumidores.

Diante de tantas incerteza, principalmente em termos financeiros, a Black Friday é vista como oportunidade para economizar. De acordo com o estudo, 6 entre cada 10 consumidores vão aguardar a data em novembro para comprar um produto que pretendem adquirir nos próximos 6 meses, sendo que 82% dos entrevistados afirma que vai pesquisar online antes de comprar.

Além do maior planejamento para a data por parte dos consumidores, a pesquisa também revela que os varejistas podem sofrer uma queda perceptível nas vendas. Neste ano, 54% dos brasileiros pretendem comprar na Black Friday, o que significa uma queda de 8% em relação a 2019. O número de categorias com as quais os consumidores pretendem gastar também diminuiu para 4,5 – ou seja, 37% menos que no ano passado.

Onde os brasileiros pretendem comprar

Outro impacto da pandemia está relacionado à limitação de acesso a lojas físicas. O receio em sair de casa deve direcionar parte das vendas para os canais online, com 40% dos consumidores afirmando que pretendem comprar exclusivamente pela internet (um aumento de 7% em relação a 2019); 26%, exclusivamente em lojas físicas (em 2019 o número foi de 27%); e 34%, em ambos os canais (em 2019, era 40%).

Esse aumento no número de vendas online pode influenciar um outro aspecto analisado pela pesquisa, que é o critério de escolha dos brasileiros. Como esperado, o preço é o fator principal; no entanto, as opções de parcelamento e valor do frete vêm ganhando cada vez mais relevância nos últimos anos.

A preferência pela compra online também significa que os consumidores vão buscar plataformas que facilitem a experiência. De acordo com o estudo, 59% dos entrevistados pretende realizar a compra por aplicativos. No total, 70% das pessoas já possui o app da loja preferida instalado no celular, com 8 em cada 10 usuários afirmando que utilizam para consultar preços, sendo que 64% finaliza as compras pelo aplicativo.

O que os brasileiros pretendem comprar

Segundo a pesquisa do Google, as 10 categorias com maior intenção de compra para a Black Friday deste ano são:

  • Celulares (38%)
  • Eletrodomésticos (30%)
  • Informática (28%)
  • Roupas Femininas (28%)
  • TV (26%)
  • Roupas (24%)
  • Eletroportáteis (24%)
  • Perfumes (24%)
  • Tênis (22%)
  • Móveis (22%)

Em comparação a 2019, as categorias Móveis, Brinquedos, Games e Imóveis apresentam alta – de acordo com o Google, elas foram aceleradas pela pandemia, como consequência do tempo gasto em casa. Já as categorias de passagens aéreas, serviços financeiros e planos de celular perderam relevância em 2020.

Um ponto interessante mostrado na pesquisa é o fato de que, apesar dos impactos econômicos da pandemia, a principal motivação para comprar na Black Friday é o prazer de encontrar boas ofertas, não necessariamente por necessidade de um produto. O ranking das principais motivações de compra para esse ano ficou assim:

  • 57% – Ter o prazer de encontrar boas ofertas e fazer bons negócios;
  • 49% – Comprar algum produto que não puderam comprar antes por questões financeiras;
  • 41% – Conseguir comprar algum produto que gosto/tenho vontade de ter;
  • 34% – Repor algum produto.