Ansiedade, problemas de alimentação e sono atingem um terço do Brasil, diz Datafolha

Pesquisa reforça estigma social de ansiedade e depressão: embora apareçam entre os sintomas, não se refletem na maneira como os brasileiros analisaram sua própria saúde mental
Imagem: Emma Bauso/ Pexels/ Reprodução

Uma nova pesquisa do Datafolha revela dois cenários sobre saúde mental no Brasil: enquanto um terço da população enfrenta problemas com alimentação, sono e ansiedade, 70% ainda considera seu estado emocional como ótimo ou bom. 

Os dados publicados pela Folha de S. Paulo evidenciam o contraste entre o relato dos sintomas e a percepção que os brasileiros têm de sua saúde mental, seu estilo de vida e problemas cotidianos.

Por um lado, a pesquisa reforça o estigma social de transtornos como ansiedade e depressão, que embora apareçam nos sintomas, não se refletem na maneira como os brasileiros analisaram sua saúde mental. 

Por outro, os dados podem indicar também uma normalização do adoecimento.

Entenda a pesquisa

Entre os dias 31 de julho e 7 de agosto, o Datafolha coletou dados sobre a saúde mental de 2.534 brasileiros maiores de 16 anos. Para identificar quais os sintomas mais comuns entre eles, a pesquisa questionou aos participantes se eles sentem:

  1. Pouco interesse ou prazer em fazer as coisas;
  2. Triste, deprimido ou sem esperança;
  3. Dificuldade para dormir, manter o sono ou dorme demais;
  4. Cansado ou sem energia;
  5. Pouco apetite ou come em excesso;
  6. Mal consigo mesmo, ou que é um fracasso, ou que decepcionou a si mesmo ou sua família;
  7. Dificuldade em se concentrar em coisas como ler ou assistir TV;
  8. Sente que sua fala e seus movimentos estão lentos, ou o contrário, inquieto e agitado;
  9. Ansioso.

Principais resultados: a saúde mental do brasileiro

Em geral, 12% dos brasileiros apresentam ao menos 5 desses sintomas com frequência.

Além dos problemas de sono, alimentação e ansiedade, outros sintomas foram bastante citados. Cerca de 20% dos participantes têm dificuldade de manter a atenção e a concentração. Enquanto isso, 25% relataram ter pouco interesse e prazer em fazer as coisas.

Com todas essas questões apontadas, apenas 21% dos brasileiros entrevistados relataram ter frequentado um profissional de saúde mental no último ano. O número é maior entre pessoas de 25 a 34 anos, atingindo 28% dos entrevistados.

De modo geral, a pesquisa do Datafolha traça um perfil de quem é mais afetado pelo modo de vida no Brasil, com recortes de gênero e renda. Os impactos são maiores entre as mulheres e entre aqueles pertencentes às classes D e E.

Assine a newsletter do Gizmodo

Bárbara Giovani

Bárbara Giovani

Jornalista de ciência que também ama música e cinema. Já publicou na Agência Bori e participa do podcast Prato de Ciência.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas