Ontem (13) a Apple apresentou uma nova linha de produtos, incluindo quatro modelos de iPhone 12. Obviamente, muitas pessoas já estão de olho nos novos aparelhos. Mas como jornalista que escreve sobre o clima, o maior destaque para mim foi o fato de que a companhia parece (parece) mais preocupada com o meio ambiente ao tentar reduzir o lixo eletrônico produzido por produtos descartados.

Claro que minha recomendação é você manter seu iPhone atual em vez de comprar um novo. Isso se você é o tipo de pessoa que se preocupa com questões ambientais. No entanto, caso você precise ou queira comprar um iPhone 12, já saiba que ele virá com uma carga ética mais leve que o normal, já que a Apple anunciou que não incluirá mais os fones de ouvido EarPods, nem adaptadores de tomada nas caixas dos novos iPhones.

Lisa Jackson, vice-presidente de iniciativas ambientais da Apple, disse durante o evento da última terça-feira que existem atualmente 700 milhões de fones de ouvido Lightning e 2 bilhões de adaptadores de parede em circulação. Isso é muito plástico e metal solto por aí, sendo perdido, jogado no lixo ou deixado parado. Eu mesmo estimo que cerca de 12.448 desses fones de ouvido estão guardados na minha gaveta.

Sinceramente? Os EarPods são muito ruins e, pelo menos para os meus ouvidos, muito desconfortáveis. Eles também não funcionam com qualquer outro dispositivo que tenha um conector de 3,5 milímetros, o que inclui os próprios MacBooks mais novos da Apple. Resumindo: eles estão entre os itens mais inúteis que a Apple cria, mas a empresa continua a enviá-los com iPhones há anos.

Remover da caixa do iPhone os fones de ouvido e adaptadores de tomada – outro item que você certamente possui aos montes se comprou um smartphone na última década – reduz o peso da embalagem e diminui as emissões de carbono produzidas como resultado dos produtos Apple. Mas também pode reduzir a quantidade de lixo que vai para aterros sanitários.

Um relatório recente das Nações Unidas mostra que o mundo jogou fora 53,6 milhões de toneladas métricas de lixo eletrônico em 2019 – uma quantidade recorde. Embora o estudo não divulgue especificamente os fones de ouvido, muito menos os EarPods da Apple, ele mostra que o lixo eletrônico feito de pequenos equipamentos de TI e telecomunicações foi responsável por 4,7 milhões de toneladas métricas de todo o lixo eletrônico gerado no ano passado.

O relatório da ONU ainda observa que apenas 17,4% do lixo eletrônico é formalmente reciclado, enquanto o restante é depositado em aterros ou acaba poluindo comunidades ou o mundo natural, devido à natureza quebrada de nosso sistema de reciclagem e ao fato de ser difícil para uma pessoa comum descobrir o que fazer com fones quebrados ou outro lixo eletrônico.

Apesar de medidas mais regulatórias estarem sendo implementadas para lidar com o lixo eletrônico assim que for gerado, uma das melhores coisas a fazer seria diminuir esses componentes direto na fonte. A Apple não vai mais enviar equipamentos para os compradores do iPhone que eles provavelmente não precisam, o que é um bom começo. Isso não isenta a companhia de outros problemas, pois ainda tem um longo caminho a percorrer para consertar o descarte de AirPods e o fato de que seus esforços de reciclagem ainda não são significativos. E o fim do carregador em si pode criar problemas para os proprietários de iPhone.

“Esta é uma ótima notícia no que diz respeito ao lixo eletrônico. No entanto, é muito interessante que eles estejam enviando um cabo Lightning para USB-C em vez de USB-A. É a direção certa, mas agora os clientes não podem usar seus antigos adaptadores de carregamento USB-A – o que essencialmente anula a ideia de que todo mundo já tem esse tipo de adaptador. Eles terão comprar um novo acessório de qualquer maneira”, disse Carsten Frauenheim, engenheiro de desmontagem do iFixit, especializado em desmontar aparelhos eletrônicos.

iPhone 12Toda a linha iPhone 12 não virá com adaptador de tomada, nem fones de ouvido. Imagem: Apple

Na prática, faltou mais transparência da Apple, que poderia ter avisado antes seus clientes de que removeria itens essenciais para o funcionamento dos iPhones. E trata-se de uma questão com várias ramificações: quem tem um iPhone 11 Pro de 2019 e for atualizar para o iPhone 12, talvez não encontre dificuldades caso tenha mantido os fones e carregadores anteriores. Mas usuários de iPhone 11 ou versões anteriores que adquirirem um iPhone 12 (independentemente do modelo), certamente precisarão de um adaptador USB-C para Lightning ou de fones EarPods também no padrão Lightning.

A decisão da Apple em remover esses itens da caixa dos iPhones, mesmo sendo um começo na tentativa de reduzir o lixo eletrônico no mundo, talvez fosse vista com mais aceitação se acontecesse no universo Android. A grande maioria dos smartphones que rodam o sistema móvel do Google possuem o mesmo padrão conector – USB-C para USB-C, então faria todo o sentido as fabricantes não incluírem mais um adaptador de tomada na embalagem dos produtos.

A não-inclusão dos fones de ouvido seria uma coisa mais complicada, mas já existe entre os aparelhos Android. A Xiaomi, por exemplo, não inclui o acessório em alguns de seus principais celulares. Fato é que essa ação talvez fosse bem menos impactante no Android agora de início, o que não significa que as empresas que desenvolvem smartphones Android não adotem esse movimento iniciado pela Apple. Quem lembra quando a companhia removeu a entrada P2 para fone de ouvido no iPhone 7? Não levou nem um ano para a concorrência seguir o mesmo caminho.

O direito de consertar o problema do lixo eletrônico é o maior ponto cego ambiental da Apple, tornando mais difícil para os usuários arrumarem os dispositivos que já possuem. Permitir que eles consertem os próprios aparelhos de forma barata, sem anular a garantia, reduziria as emissões de carbono envolvidas na fabricação de novos produtos, bem como no lixo eletrônico quando vão parar no lixo ou na reciclagem. Isso também afetaria os lucros da Apple quando lançar um novo iPhone.

Então, embora eu esteja definitivamente empolgado com o que não terei depois de encomendar um novo iPhone depois de matar o meu atual, é claro que a Apple ainda tem um longo caminho a percorrer para adotar políticas mais limpas e benéficas para o meio ambiente.