As vendas do iPhone não param de cair, e isso está afetando os resultados financeiros da Apple. Nos últimos doze meses, a empresa sofreu sua primeira queda anual de receita desde 2001.

O modo retrato para fotos do iPhone 7 Plus às vezes estraga a imagem
É isto o que acontece se o botão Home do iPhone 7 quebrar

Entre julho e setembro, a Apple vendeu 45,5 milhões de iPhones, queda de 5,3% em relação ao ano passado. (Esse número leva em conta apenas duas semanas de vendas do iPhone 7; a empresa não divulgou o desempenho da pré-venda.)

Enquanto isso, as vendas do iPad caíram 6,8% para 9,2 milhões; e as vendas de Macs tiveram queda de 15,7% para 4,8 milhões.

A categoria “Outros” – que engloba produtos como o Apple Watch, a Apple TV e o esquecido iPod – não foi capaz de salvar o dia: a receita caiu 22% em um ano para US$ 2,4 bilhões. A IDC estima que as vendas globais do Apple Watch despencaram mais de 70%; o Series 2 só chegou no final do trimestre.

O único destaque positivo é a categoria Serviços, que cresceu 24% para US$ 6,3 bilhões, puxada pelo Apple Music. Esse grupo também inclui vendas de apps, AppleCare, Apple Pay e acordos de licenciamento.

Com tudo isso, o lucro do trimestre caiu: foram US$ 9 bilhões, ou 23% a menos que no ano anterior. E a receita dos últimos doze meses, que teve a primeira queda em quinze anos, foi de US$ 215,6 bilhões (-8%).

Como a Apple planeja reverter isso? Tim Cook comentou os resultados dizendo que a demanda pelo iPhone 7 é maior que os estoques da empresa; e há vários lançamentos que devem fazer a receita crescer no final do ano, incluindo os novos Macs a serem anunciados amanhã, e o Apple Watch Series 2.

Por enquanto, os investidores não parecem tão satisfeitos; as ações da Apple caíram 3% após a divulgação dos resultados.

[AppleThe VergeVentureBeatBusiness Insider]

Foto por Marcio Jose Sanchez/AP