Como era de se esperar, as técnicas para colar foram avançando com o tempo. Os estudantes hackeiam servidores, fazem ataques DDoS (de negação de serviço) contra escolas e compram lição de casa na dark web. Em uma medida extrema para evitar o vazamento de um exame nacional do ensino médio, a Argélia simplesmente instituiu um blecaute nacional da internet.

Estudante de 16 anos é preso nos EUA após hackear escola e alterar notas
Hacker tenta alterar registro de prisão para libertar amigo, mas acaba preso

O país do norte da África vai desligar por uma hora o serviço de internet móvel e fixa durante o período do exame, que começou na quarta-feira (20) e vai continuar até 25 de junho. Ao todo, 11 blecautes de uma hora estão agendados para acontecer depois que o exame começar. Em 2016, as questões do exame foram vazadas online, e as autoridades ficaram insatisfeitas com a limitação do uso de redes sociais durante as provas no ano passado.

A medida vai também bloquear o Facebook durante todo o período do exame, segundo a ministra da educação, Nouria Benghabrit, em declaração ao jornal argelino Annahar, como informa a BBC. Benghabrit disse que “não está confortável” com sua escolha de desligar todo o serviço de internet, mas que ela “não deveria esperar passivamente pela possibilidade de outro vazamento”.

As escolas que vão aplicar as provas também estarão equipadas com detectores de metal para assegurar que ninguém, inclusive aplicadores, tragam quaisquer dispositivos para a sala com acesso à internet. Além disso, o ministro informou que eles instalaram câmeras de vigilância e bloqueadores de celular nos locais em que o exame será impresso. Ao todo, 700 mil alunos devem fazer a prova nacional.

“Governos tomam essas medidas sugerindo que houve cola desenfreada no ano passado, mas eles nunca forneceram provas e nunca mencionaram quão efetivo o desligamento da internet foi”, disse Grant Baker, da Smex, à Al Jazeera. A Smex é uma organização que advoga por uma internet aberta e livre no mundo árabe. A ONG libanesa está coletando relatos de pessoas que serão negativamente afetadas pelo desligamento da internet por ocasião da prova.

Teremos de esperar para ver se o bloqueio da internet e das redes sociais vão resolver o suposto problema de vazamento de provas do país. Embora sem internet seja mais difícil colar, os jovens estão ficando cada vez mais criativos e já criaram artifícios impressionantes e elaborados para trapacear o sistema. Há uma década, uma escola baniu iPods na esperança de acabar com a trapaça dos alunos. A estratégia parece patética atualmente.

[BBC]

Imagem do topo: Getty Images