O novo coronavírus continua avançando e já matou 80 pessoas, além de ter adoecido quase 3 mil — a maioria na China, mas com casos confirmados na América do Norte, Europa e outros países da Ásia. A crise agora coloca as autoridades chinesas em posições delicadas.

O primeiro-ministro chinês, Li Kequiang, visitou hoje a província de Hubei, numa tentativa de acalmar a irritação crescente sobre a resposta do governo ao surto. O prefeito de Wuhan, Zhou Xianwang, disse hoje à CCTV, veículo da mídia estatal, que entregaria o cargo se isso “apaziguasse a indignação pública” após admitir ter omitido informações sobre o coronavírus.

O governo chinês está prolongando o feriado do Ano Novo Lunar até 2 de fevereiro, em um esforço para manter os trabalhadores em casa, e pelo menos 50 milhões de pessoas estão em uma zona restrita, enquanto as autoridades chinesas tentam controlar a propagação do vírus.

Xangai, uma cidade de mais de 24 milhões de pessoas, viu sua primeira morte pelo vírus no fim de semana e anunciou que as empresas devem permanecer fechadas até 9 de fevereiro.

Existem 2.794 casos confirmados do coronavírus, oficialmente chamado de 2019-nCoV, com a maioria dos casos na China. A Comissão Nacional de Saúde do país informa que 461 desses pacientes estão em estado crítico e 51 pessoas se recuperaram e tiveram alta. Alguns especialistas colocam o total provável de infectados em 44 mil, embora seja difícil dizer numa fase tão precoce.

Todas as pessoas que atualmente estão fora da China que deram positivo para o vírus visitaram Hubei, a província no epicentro do surto, o que significa que não houve caso de transmissão fora da China.

Foram confirmados 49 caso fora da China, incluindo oito casos na Tailândia, cinco nos Estados Unidos, cinco Austrália, quatro na Coreia do Sul, quatro em Taiwan, quatro em Cingapura, quatro na Malásia, três na França, três no Japão, dois no Vietnam, um no Nepal e um no Canadá.

Foto aérea mostra escavadeiras e caminhões no local da obra de um novo hospital que está sendo construído para tratar pacientes do coronavírus, em Wuhan, na província central de Hubei, na China, em 27 de janeiro de 2020. Foto: Getty

O período de incubação da doença é entre 1 e 14 dias, e as pessoas portadoras do vírus podem ser capazes de transmiti-lo antes de apresentarem sintomas, de acordo com as autoridades sanitárias chinesas e com um estudo recentemente publicado na revista médica Lancet.

Profissionais de saúde foram bastante atingidos pelo novo coronavírus, com o número de enfermeiros que contraíram o coronavírus chegando a dezenas. O médico Liang Wudong, de 62 anos, morreu no sábado, de acordo com o Global Times. E o médico de 51 anos Jiang Jianjun teve um ataque cardíaco na quinta-feira, de acordo com o New York Times, embora ainda não esteja claro se ele contraiu o vírus.

Atrações turísticas e de entretenimento estão sendo restritas. Pelo menos sete filmes de grande orçamento foram cancelados durante a semana passada. A League of Legends Pro League também cancelou seu torneio esportivo, de acordo com o South China Morning Post.

A Disneylândia de Hong Kong fechou por tempo indeterminado no domingo (26), tornando-se o segundo parque temático da Disney na Ásia a fechar os portões em resposta ao novo coronavírus.

Funcionário com uma máscara ao lado de uma placa anunciando o fechamento do parque na Disneylândia de Hong Kong, no dia 26 de janeiro de 2020, Foto: Getty

“Como medida de precaução, em linha com os esforços de prevenção que estão acontecendo em Hong Kong, estamos fechando temporariamente o Hong Kong Disneyland Park a partir de 26 de janeiro de 2020, por consideração pela saúde e segurança dos nossos convidados e membros do elenco”, disse o parque temático em seu site.

A Disneylândia de Xangai foi fechada um dia antes, juntamente com os dois hotéis da empresa. Os hotéis da Disneylândia de Hong Kong, por sua vez, permanecerão abertos por enquanto, de acordo com a Disney.

“Estamos em contato direto com as autoridades sanitárias e o governo sobre a situação e anunciaremos uma data de reabertura assim que eles determinarem que é aconselhável”, disse uma mensagem no site da Disneylândia de Hong Kong.

As escolas primárias e secundárias de Hong Kong também estão fechadas até pelo menos 17 de fevereiro.

E como em qualquer fenômeno global, há muitas mentiras e desinformação sendo espalhadas nas mídias sociais sobre o coronavírus. Na Austrália, notícias falsas estão aparecendo no Facebook com a intenção de parecerem vir de um departamento de saúde local, por exemplo — a notícia falsa avisa os australianos para ficarem longe de bairros com muita gente chinesa.