Todas as escolas primárias e secundárias de Hong Kong ficarão fechadas até 17 de fevereiro, como parte dos esforços mais recentes para conter a disseminação mortal do coronavírus iniciada em Wuhan, segundo informações da Associated Press. A líder de Hong Kong, Carrie Lam, também anunciou que as autoridades elevaram o nível de resposta do governo, que agora está em emergência, o mais alto possível.

Falando de maneira similar, o líder da China, Xi Jinping, disse às emissoras estatais que a “disseminação acelerada” do surto criou uma “situação grave” em todo o país. O vírus já infectou cerca de 1.900 pessoas e é responsável por mais de 50 mortes.

O surto mortal isolou menos 36 milhões de pessoas. Vários locais turísticos muito visitados, como seções da Grande Muralha perto de Pequim e a Disneylândia de Xangai, estão fechados por tempo indeterminado. Pelo menos sete filmes na China também adiaram seus lançamentos em cinemas para não promover grandes aglomerações que poderiam potencialmente ajudar o vírus a se espalhar.

O epicentro do surto — Wuhan, uma cidade com cerca de 11 milhões de habitantes — proibiu os moradores de dirigirem no centro a partir do domingo, segundo o relatório da AP. No entanto, uma equipe de 6 mil táxis determinados pelo governo permanecerá disponível.

Até agora, os casos do coronavírus também foram relatados nos EUA, Japão, Cingapura, Coréia do Sul, Taiwan e Tailândia. Milhões de pessoas viajaram em comemoração ao Ano Novo Lunar. Autoridades da Austrália e da Malásia também notificaram seus primeiros casos de coronavírus no sábado.

A resposta sobre a origem do vírus permanece indefinida. Enquanto muitos funcionários públicos afirmam que o coronavírus constitui uma emergência internacional de saúde, a Organização Mundial da Saúde se recusou a designar o surto como uma “emergência de saúde pública de interesse internacional” no início desta semana. Com sua disseminação alarmante nos últimos dias, no entanto, isso pode mudar.