Arqueólogos na Noruega descobriram um local incomum de sepultamento viking em que um barco-túmulo foi colocado em cima de outro. Por si só, isso é muito estranho – o que é ainda mais estranho é o fato de os enterros estarem separados por 100 anos.

Que os Vikings às vezes enterraram seus mortos dentro de barcos é algo documentado, mas a nova descoberta, em que dois túmulos de barco foram colocados em cima um do outro, é excepcionalmente raro e mal compreendido.

O cenário incomum de sepultura foi descoberto em outubro, durante a manutenção de estradas, o que levou a uma investigação por uma equipe de arqueólogos do Museu de Ciências da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU, na sigla em inglês), de acordo com um artigo da ScienceNorway. O local está perto da aldeia de Vinjeøra, no centro da Noruega.

Os túmulos têm dois corpos, de um homem e de uma mulher. A sepultura mais antiga, com um homem Viking, remonta ao século VIII d.C., enquanto a sepultura mais recente, de uma mulher Viking, remonta ao século IX d.C..

Os Vikings desenterraram a sepultura original após cerca de 100 anos, colocaram a segunda sepultura em cima, e depois enterraram ambos, relata a ScienceNorway. A razão não é totalmente clara, mas os arqueólogos têm bons motivos para acreditar que os indivíduos tinham algum relacionamento ou parentesco.

“Eu tinha ouvido falar de vários sepulturas de barcos sendo enterradas em um único túmulo, mas nunca de um barco que tivesse sido enterrado dentro de outro barco”, disse o arqueólogo do NTNU, Raymond Sauvage, gerente de projeto da escavação, à ScienceNorway.

“Desde então, soube que foram encontradas algumas valas duplas nos anos 50, em Tjølling, no sul do condado norueguês de Vestfold. Ainda assim, este é essencialmente um fenômeno desconhecido”, completou.

A maior parte da madeira dos dois barcos já tinha se deteriorado, mas os arqueólogos encontraram os rebites restantes em suas posições originais, permitindo a visualização da colocação das sepulturas dos barcos. Eles foram enterrados juntos dentro de um grande túmulo que se soltava em relação a paisagem. O local está à beira de uma falésia com vista para um fiorde – provavelmente um local com vista impressionante, de acordo com Sauvage.

Concepção de artista do sepultamento da barco-túmulo do homem VikingConcepção de artista do sepultamento da barco-túmulo do homem Viking. Imagem: Arkikon

Poucos detalhes foram dados sobre o homem, mas ele foi encontrado enterrado ao lado de seu escudo e uma espada de um só fio. Sua arma data da dinastia merovíngia no norte da Europa, relata ScienceNorway.

O barco da mulher tinha cerca de 7 a 8 metros de comprimento. Ela foi enterrada usando um colar com um pingente em forma de cruz, e seu vestido foi preso na frente com um par de broches grandes em forma de concha feitos de bronze dourado. Em torno de seu corpo havia uma variedade de itens funerários, incluindo um colar de pérolas, tesouras, uma espiral de fuso, e a cabeça de uma vaca.

pingente em forma de cruz encontrado na cova da mulher vikingO pingente em forma de cruz encontrado na cova da mulher. Imagem: Raymond Sauvage, NTNU Vitenskapsmuseet

O solo onde os barcos-túmulo foram encontrados não era favorável à preservação dos restos mortais, mas os cientistas conseguiram extrair um pedaço do crânio da mulher, que pode revelar o DNA e fornecer o material para uma análise isotópica, a última das quais determina a dieta e o local de origem.

É bem possível que esses dois indivíduos tivessem algum parentesco, apesar de estarem separados por 100 anos. De acordo com os arqueólogos, a comunidade viking teria provavelmente conhecido o homem enterrado. Os vikings não mantinham registros escritos, mas o conhecimento familiar podia ser transmitido de geração em geração.

A agricultura extensiva ao longo dos anos eliminou boa parte do túmulo, mas a equipe tem planos de voltar ao local no próximo verão para procurar por mais artefatos.

Leitura de georadar de um navio Viking de mil anos encontrado no condado de Romsdal, na NoruegaLeitura de georadar de um navio Viking de mil anos encontrado no condado de Romsdal, na Noruega. Imagem: NIKU

Em notícias relacionadas, uma equipe arqueológica do Instituto Norueguês de Investigação do Património Cultural (NIKU) e de outras instituições utilizou radares de penetração terrestre para detectar vestígios de um navio Viking de mil anos enterrado em Møre, no condado de Romsdal, na Noruega.

Estima-se que o navio tenha cerca de 16 a 17 metros de comprimento. O georadar também pode ter detectado os sinais de uma antiga povoação, mas é necessário mais investigação para ter certeza.