Várias companhias aéreas de todo o mundo, juntamente com a China e a Indonésia, decidiram cancelar voos com aviões Boeing 737 Max 8. No domingo (10), a queda de uma aeronave desse modelo na Etiópia matou 157 pessoas. O acidente do voo 302 da Ethiopian Airlines foi o segundo envolvendo um Boeing 737 Max-8 nos últimos cinco meses. Em outubro passado, um Max 8 operado pela Lion Air caiu na costa da Indonésia e matou todas as 189 pessoas a bordo.

Desde a manhã de segunda-feira (11), nenhuma grande companhia aérea norte-americana suspendeu os voos de sua aeronave Max 8. No Brasil, a Gol também suspendeu o uso de suas sete aeronaves deste modelo na noite da segunda-feira — mais cedo, ela havia afirmado que não suspenderia as decolagens desses aviões.

A Cayman Airways e a Ethiopian Airlines anunciaram nesta manhã a suspensão de todos os voos com Boeing 737 Max 8. O anúncio foi feito logo após a Administração de Aviação Civil da China ordenar que todas as companhias aéreas do país parassem de voar com o Max 8. A Boeing começou a entregar o novo modelo para as companhias aéreas no meio do ano passado, e a China já tinha 97 aeronaves desse modelo em operação, segundo a CNN.

O voo 302 da Ethiopian Airlines caiu no domingo, pouco tempo após a decolagem de Addis Ababa, capital da Etiópia. A aeronave levava cidadãos de pelo menos 35 países. Funcionários da Ethiopian Airlines ainda estão tentando determinar o que causou o acidente. A caixa preta do avião foi recuperada nesta segunda-feira, embora esteja, segundo informações, danificada.

“Esse tipo de coisa leva tempo”, disse à Associated Press James Macharia, ministro de Transportes do Quênia, que está ajudando na investigação na Etiópia.

O 737 da Boeing é o jato mais popular da empresa em todo o mundo, e as empresas aéreas dos EUA não anunciaram nenhum plano para suspender voos com o mais novo modelo do 737, o Max 8. A Delta e a United disseram ao Gizmodo que não operam nenhuma aeronave Max 8, embora a United Airlines tenha dito que atualmente possui 14 modelos Max 9 em sua frota.

A American Airlines, que diz ter atualmente 24 aviões Boeing 737 Max 8 em operação, disse ao Gizmodo por e-mail que tem “total confiança na aeronave e nos membros de tripulação”.

“A American Airlines estende nossas condolências às famílias e amigos dos que estão a bordo do voo 302. da Ethiopian Airlines. Neste momento, não há fatos sobre a causa do acidente além do que foi noticiado na imprensa”, disse um porta-voz do escritório de relações de mídia da American ao Gizmodo.

A Southwest disse ao Gizmodo que atualmente opera uma frota de 34 aeronaves Max 8 e que não tem planos de deixar de usá-las. “Nosso coração está com as famílias e entes queridos dos passageiros e funcionários do voo 302 da Ethiopian Airlines”, disse um porta-voz em um email, acrescentando: “Continuamos confiantes na segurança e na aeronavegabilidade de nossa frota de mais de 750 aeronaves Boeing”.

A Jetblue e a Alaska Airlines ainda não responderam ao nosso pedido de comentário.

Companhias aéreas sediadas nos Estados Unidos estão esperando para potencialmente suspender voos de qualquer uma de suas aeronaves Max 8 também, sinalizando o fato de não terem recebido nenhum aviso para fazê-lo.

“Continuamos trabalhando em estreita colaboração com a Boeing, com a FAA e com a NTSB. Nós não fizemos nenhuma mudança em nosso cronograma atual de voos”, disse um porta-voz da American ao Gizmodo por e-mail.

Outras companhias aéreas em todo o mundo, incluindo a Singapore Airlines, estão adotando uma postura de esperar para ver antes de incorporar a aeronave Max 8 em sua frota. Como observa o Daily Beast, não há outro modelo de avião na história recente que tenha sofrido dois acidentes graves logo após a decolagem.

No Brasil, a Gol inicialmente manteve o cronograma de voos com o Boeing 737 Max 8. No entanto, na noite de segunda-feira (11), a companhia decidiu suspender o uso das aeronaves, de acordo com o G1. Ela é a única empresa brasileira que opera com este modelo — são sete aviões que operam em rotas para os EUA, América Latina e Caribe. Diz o G1:

Ao longo da segunda-feira, os pilotos que estavam escalados para operar o 737 MAX 8 foram comunicados de que seriam transferidos para voos de outras aeronaves, segundo apurou o G1. A companhia também suspendeu a venda de voos que utilizariam o modelo – eles sairiam de Brasília e Fortaleza e iriam até Miami e Orlando.

A Gol informou que os clientes com viagens previstas nas aeronaves 737 Max 8 serão comunicados e reacomodados em voos da empresa ou de outras companhias aéreas.

As informações sobre o acidente do voo 610 da Lion Air e a queda deste fim de semana na Etiópia são assustadoramente semelhantes. Ambos os aviões supostamente passaram por uma situação em que os sistemas automatizados acreditaram que o nariz do avião estava muito alto. Em casos assim, os sistemas automatizados teriam empurrado o nariz da aeronave para baixo, em um esforço para impedir que ela parasse, mesmo que não houvesse perigo real de isso acontecer. Os pilotos teriam tentado manualmente levantar o nariz de volta, mas especula-se que eles não tenham conseguido tirar o controle da mão dos computadores.

Emissoras de TV da Austrália informaram nesta manhã que uma atualização de software da Boeing seria enviada em breve para as companhias aéreas, mas o Gizmodo não pôde verificar independentemente essa afirmação.

A Boeing forneceu esta declaração ao Gizmodo:

Mantemos nossos clientes e reguladores envolvidos em preocupações que possam ter — e entramos em contato com eles para discutir suas operações e decisões. A segurança é nossa prioridade número um, e estamos tomando todas as medidas para entender completamente todos os aspectos desse acidente, trabalhando em conjunto com a equipe de investigação e todas as autoridades reguladoras envolvidas. A investigação está em seus estágios iniciais, mas, neste momento, com base nas informações disponíveis, não temos nenhuma base para emitir novas orientações aos operadores.

[…]

A Boeing está profundamente entristecida com a notícia do falecimento dos passageiros e da tripulação no voo 302 da Ethiopian Airlines, um avião 737 MAX 8. Nós estendemos nossas sinceras condolências às famílias e entes queridos dos passageiros e tripulantes a bordo e estamos prontos para apoiar a equipe da Ethiopian Airlines. Uma equipe técnica da Boeing viajará até o local do acidente para fornecer assistência técnica sob a direção do Departamento de Investigação de Acidentes da Etiópia e do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA.

A Boeing terá uma semana difícil pela frente, já que, como o Wall Street Journal aponta, 5.526 do Max 8 haviam sido encomendados e ainda seriam entregues a companhias aéreas em todo o mundo. As ações da empresa caíram mais de 10% nas negociações feitas antes da abertura oficial do mercado de ações dos EUA.

[Associated Press, CNN, Daily Beast, G1]

Atualizado às 20h28 com o novo posicionamento da Gol