Uma gigantesca piscina de magma emergiu abaixo da superfície da Terra após o evento de impacto que exterminou todos os dinossauros não-aviários. Uma nova pesquisa sugere que esta câmara subterrânea infernal hospedou um ecossistema biológico, uma descoberta que pode dar pistas de como a vida surgiu durante os primeiros dias tumultuados da Terra.

Quando o asteroide atingiu o nosso infeliz planeta cerca de 66 milhões de anos atrás, ele criou uma cratera de impacto de 110 milhas (180 quilômetros) de largura no que é hoje a Península de Yucatan. As evidências apresentadas no início deste ano mostraram que o impacto também produziu uma gigantesca câmara de magma subterrânea, que persistiu por centenas de milhares de anos, possivelmente até milhões de anos. Incrivelmente, este sistema hidrotérmico sustentou todo um ecossistema microbiano, de acordo com novas pesquisas publicadas na sexta-feira (30) na Astrobiology.

David Kring, o principal autor dos dois estudos e geólogo do Instituto Lunar e Planetário (LPI), acredita que o sistema hidrotermal de Chicxulub é um possível vislumbre das primeiras condições na Terra, quando a vida estava começando a surgir. Os coautores de Kring são Martin Whitehouse, do Museu Sueco de História Natural, e Martin Schmieder, da Universidade Neu-Ulm, na Alemanha.

Durante seu pico, a câmara de magma de Chicxulub tinha cerca de 1,86 milha (3 quilômetros) de espessura e abrangia 33.500 milhas cúbicas (140.000 quilômetros cúbicos) da crosta terrestre. Em comparação, a caldeira do Parque Nacional de Yellowstone é nove vezes menor.

Kring e seus colegas descobriram evidências desse sistema hidrotérmico em um núcleo de rocha retirado do anel do pico da cratera, que é basicamente o anel denteado encontrado dentro de algumas crateras de impacto (bons exemplos aqui). Aproximadamente 15.000 quilos de rocha foram puxados de uma profundidade de 0,81 milha (1,3 quilômetro), em uma expedição apoiada pelo Programa Internacional Continental de Perfuração Científica e o Programa Internacional de Descoberta do Oceano.

Investigando mais uma vez o material de amostra do Chicxulub, os cientistas encontraram pequenas esferas de pirita, chamadas framboides. A análise isotópica de enxofre desses derivados, que medem apenas 10 milionésimos de metro de diâmetro, apontou para a presença de “colônias termofílicas de organismos redutores de sulfato”, em outras palavras, aglomerados de organismos microscópicos amantes do calor e com apetite por sulfatos. Esses microrganismos viviam na “rocha porosa e permeável sob o fundo da cratera e se alimentavam de sulfato transportado pela rocha”, que foi disponibilizado pelo sistema hidrotérmico gerado por impacto, segundo o estudo.

Como os autores apontam, esses micróbios subterrâneos ganhavam a vida aproveitando as reações químicas que aconteciam dentro do sistema hidrotérmico, ou seja, em águas ricas em minerais aquecidas pelo magma. Durante esse processo, o sulfato se transformava em sulfeto, que era preservado como pirita. Esses organismos não são diferentes de algumas bactérias e arqueobactérias que gostam de calor, encontradas hoje em Yellowstone.

Esta descoberta é interessante por si só, mas potencialmente se relaciona com as condições encontradas na Terra primitiva, especificamente durante o período do Bombardeio Intenso Tardio (LHB), que terminou cerca de 3,8 bilhões de anos atrás. Durante este tempo, conhecido como período Hadeano, a Terra estava sendo atingida regularmente por grandes asteroides. A superfície estaria uma bagunça total e muito provavelmente inabitável. No entanto, algumas das primeiras formas de vida na Terra datam de cerca de 3,5 bilhões de anos atrás, e possivelmente cerca de 3,77 bilhões de anos atrás.

Equipados com as novas evidências, Kring e seus colegas especulam que as condições abaixo da cratera Chicxulub podem ter se parecido com as encontradas durante o LHB, e extremófilos semelhantes podem ter sobrevivido nessa época. Além do mais, evidências anteriores sugerem que “os primeiros organismos na Terra eram termofílicos [amantes do calor] e hipertermofílicos [realmente amantes do calor]”, então parece “plausível” que “a vida se originou em uma cratera de impacto”, como os autores escreveram em um resumo de duas páginas que explica a “hipótese da origem de impacto da vida”, como é conhecida.

Legal, isso é fantástico, mas vamos respirar fundo e considerar algumas advertências importantes. Os vestígios de vida aparentes vistos nas amostras de Chicxulub podem não ser realmente vida. Outros cientistas podem dar uma olhada nas mesmas amostras e ver processos puramente abióticos em ação, o que geralmente acontece quando afirmações como essa são feitas. Além disso, as condições ambientais durante o Cretáceo Superior eram muito diferentes daquelas dos Hadeanos (o planeta já estava repleto de vida, por exemplo), então o sistema hidrotérmico Chicxulub pode não servir como um bom análogo para a Terra primitiva.

Mais trabalho precisa ser feito para apoiar a hipótese da origem de impacto, incluindo mais evidências fósseis e uma compreensão fundamental dos processos químicos que dão origem a moléculas autorreplicantes, a saber, RNA e DNA. Ainda assim, podemos nos maravilhar com a possibilidade de que nossos primeiros ancestrais emergiram em caldeirões subterrâneos de fogo agitados por impactos de asteroides.

black-friday-gizmodo