Já faz tempo que ouvimos falar que comidas fabricadas em laboratório seriam o futuro da alimentação. Singapura deu um primeiro passo: restaurantes de todo o país poderão vender e usar em seus pratos uma carne de frango artificial. Futuramente, a ideia é que os consumidores poderão comprá-la também nos supermercados.

A novidade vem de uma startup chamada Eat Just. A carne é derivada de células de frango cultivadas em um biorreator alimentado com várias proteínas, aminoácidos, açúcares e minerais. É um processo diferente de alguns produtos à base de plantas, como o Just Mayo, que é baseado em ervilhas amarelas, ou do famoso Impossible Burger, um dos precursores dessa tendência.

Para a carne de frango cultivada em laboratório, a Eat Just afirma que nenhuma galinha foi morta para criar as células usadas na produção do alimento. As células em questão são provenientes de alguns métodos externos, incluindo biópsias em galinhas vivas. A companhia ainda diz que não utiliza antibióticos na fabricação da carne de frango, uma vez que a produção é significativamente mais limpa do que nas granjas avícolas tradicionais.

Além disso, antes de obter a aprovação do governo de Singapura, a Eat Just disse que passou por 20 ciclos de produção de seu frango para provar a segurança e consistência de seu produto. Ele será vendido sob a nova marca GOOD Meat, e será o primeiro do tipo a ser disponibilizado comercialmente. A empresa já recebeu autorização da Agência de Alimentos de Singapura pra iniciar as vendas e distribuição.

Inicialmente, o frango artificial será usado como ingrediente em coxas de frango e nuggets da própria Eat Just. Contudo, a marca diz que está trabalhando em outros formatos e apresentações para uso do frango em outros pratos. Ainda não há uma data específica para quando o alimento estará à venda em restaurantes em Singapura.

Para Singapura, que se baseia fortemente nas importações para obter a maioria dos alimentos e produtos, a ideia de carne produzida em laboratório faz muito sentido, pois permitiria a cidade-estado do Sudeste Asiático produzir mais frango no mercado interno. De acordo com o co-fundador e CEO da Eat Just, Josh Tetrick, a empresa também tem planos de levar o produto para outros países.

Graças ao aumento no consumo de carnes vegetais de empresas como Impossible e Beyond Meat, as carnes “de mentira” têm sido vistas como uma das próximas grandes novidades no mundo alimentício. Algumas projeções apontam que o mercado global de carne cultivada em laboratório valerá mais de US$ 500 milhões em 2032.