No início desta semana, a revista médica britânica The Lancet publicou uma breve correspondência de dois trabalhadores chineses de auxílios médicos que diziam estar atualmente combatendo o surto de coronavírus em Wuhan. A carta, que descreve condições extremas e intoleráveis ​​de trabalho dentro das enfermarias de isolamento, foi repentinamente objeto de uma retratação, sob o que só pode ser descrito como circunstâncias altamente suspeitas.

A correspondência, intitulada “Equipe médica chinesa solicita assistência médica internacional no combate ao COVID-19“, foi publicada na Lancet Global Health na segunda-feira (24). Ela é de autoria de Yingchun Zeng, do Terceiro Hospital Afiliado do Hospital Médico de Guangzhou, e Yan Zhen, do Sun Yet-sen Memorial Hospital em Guangzhou, China.

A Lancet publicou uma retratação sobre esta carta na quarta-feira, 26 de fevereiro. Ela permanece online, mas agora está marcada com várias vezes a palavra “RETRACTED”, que aparece em letras maiúsculas e em vermelho. A publicação forneceu uma explicação breve do motivo pelo qual escolheu fazer uma retratação da correspondência:

Em 26 de fevereiro de 2020, fomos informados pelos autores desta correspondência que o relato não era de primeira mão, como alegaram os autores, e que eles desejavam retirar o artigo. Portanto, tomamos a decisão de retratar esta correspondência.

O fato de os autores da carta fabricarem seus relatos ou os basearem nos relatos de outras pessoas que tinham conhecimento direto da situação é certamente uma possibilidade. Mais plausível é que as autoridades chinesas tenham interferido nesse caso, obrigando os autores a exigir que se retratassem — embora não tenhamos visto nenhuma evidência direta para endossar essa possibilidade.

O conteúdo da carta é perturbador. Na correspondência, Zeng e Zhen alegaram ter trabalhado nas enfermarias de isolamento de Wuhan, desempenhando várias funções, desde fornecer oxigênio aos pacientes, monitorar leituras de eletrocardiogramas, prestar cuidados básicos de enfermagem, entre muitas outras tarefas.

“As condições e o ambiente aqui em Wuhan são mais difíceis e extremas do que poderíamos imaginar”, eles escreveram.

Tradução do tweet: Eu nunca vi um artigo assim na Lancet. Isso não é um estudo, é um pedido de socorro. Trabalhadores das equipes médicas chinesas parecem estar usando publicações acadêmicas para contornar a censura e mandar sua mensagem para o mundo.

Zeng e Zhen descreveram uma severa escassez de equipamentos de proteção em Wuhan, citando acesso insuficiente a máscaras e proteções faciais, óculos, toucas e luvas.

Dizem que as mãos estão sendo lavadas com tanta frequência que os enfermeiros desenvolvem “erupções cutâneas dolorosas” e os respiradores são usados ​​por longos períodos, resultando em úlceras de pressão na testa e nos ouvidos.

Muitos enfermeiros estão com suas bocas cobertas de bolhas, disseram eles, e alguns estão passando por episódios de desmaio por causa de hipoglicemia (baixa glicose no sangue) e hipóxia (oxigênio inadequado), segundo a carta.

Devido ao tempo necessário para vestir roupas de proteção (incluindo quatro camadas de luvas), Zeng e Zhen afirmam que as enfermeiras evitam comida e bebida por até duas horas antes de seus turnos.

Segundo eles, essas condições estão afetando os trabalhadores da saúde psicologicamente.

“Embora sejamos enfermeiros profissionais, também somos humanos. Como todo mundo, sentimos desamparo, ansiedade e medo”, escreveram eles. “Enfermeiros experientes ocasionalmente encontram tempo para confortar colegas e tentar aliviar nossa ansiedade. Mas mesmo enfermeiros experientes também podem chorar, possivelmente porque não sabemos quanto tempo precisamos ficar aqui e somos o grupo de maior risco para a infecção por COVID-19.”

De fato, esse risco é muito real. Mais de 3 mil trabalhadores da saúde na China foram infectados com COVID-19 até agora e nove faleceram por causa do vírus, segundo a Comissão Nacional de Saúde da China. Cerca de 14 mil trabalhadores de assistência médica de toda a China vieram a Wuhan em apoio às equipes locais, segundo a carta, mas “precisamos de muito mais ajuda”, escreveram Zeng e Zhen, que agora estão “pedindo que enfermeiros e médicos de países de do mundo”. mundo para vir para a China agora, para nos ajudar nesta batalha. ”

O Gizmodo perguntou à Lancet Global Health sobre esta situação e por que a revista optou por retirar o artigo. A resposta deles repetiu, em grande parte, o que já havia sido dito.

“Questões a respeito da fundamentação dessa correspondência foram trazidas à tona por vários leitores”, escreveu um porta-voz da Lancet ao Gizmodo em um email. “Além disso, recebemos uma comunicação direta dos autores dessa correspondência (…) declarando que o relato que eles descreveram não era de primeira mão, como alegaram originalmente, e que desejavam retirar a peça. Seguindo o devido processo de acordo com as diretrizes de retração do COPE [Comitê de Ética em Publicações], determinamos que era nosso dever fazer uma retratação a respeito dessa correspondência. ”

O porta-voz acrescentou: “Todas as pesquisas originais publicadas no The Lancet Group estão sujeitas a revisão por pares. No entanto, também publicamos alguns conteúdos adicionais, incluindo correspondência, que não passam por esse processo. Nesses casos, adotamos as perspectivas fornecidas pelos autores com base na confiança.”

Tradução do tweet: Queria postar o texto real da nota de retratação, pois não é necessariamente o Lancet GH dizendo que não era uma conta em primeira mão; a revista está transmitindo o que os autores disseram. É preciso se perguntar se os autores foram pressionados a se retratar.

Lancet claramente não teve escolha senão fazer uma retratação, dado que os próprios autores admitiram que a correspondência era inapropriada. Além disso, como relata a Reuters, “uma equipe médica enviada pela província de Guangdong para ajudar em Wuhan postou um comunicado on-line em um jornal dizendo que os dois não faziam parte da equipe e que sua descrição das condições não era precisa”.

Não podemos deixar de pensar, no entanto, se Zeng e Zhen foram pressionados pelas autoridades chinesas, possivelmente sob ameaça de prisão, a emitir uma alegação falsa para a The Lancet. Provavelmente nunca saberemos, embora o Gizmodo tenha procurado os autores do artigo retirado para comentar — até agora, nenhuma resposta. Sinistramente, Zhen não apareceu no trabalho hoje, relata a Reuters.

Obviamente, existe a questão maior das condições de trabalho em Wuhan e a precisão geral da carta. As afirmações feitas pelos autores são consistentes com as relatadas em outros lugares, incluindo equipamentos inadequados, úlceras hemorrágicas e enfermeiros exaustos.

Outros depoimentos descrevem que enfermeiras e médicas foram forçadas a raspar a cabeça e que a equipe médica teve que usar fraldas por não poder ir ao banheiro, entre muitas outras dificuldades. Então, sim, a situação dos enfermeiros em Wuhan claramente não é boa, independentemente de a carta da Lancet ser uma descrição fidedigna ou não.

Ao mesmo tempo, a China já mostrou como a banda toca por lá. À medida que essa crise continua se desenrolando, ela tenta controlar o fluxo de informações e eliminar quaisquer críticas ao tratamento dado pelo governo ao surto. Tudo isso é muito lamentável, pois não podemos acreditar em declarações oficiais do governo que atualmente têm mais experiência no combate a esse vírus. Uma atmosfera de desconfiança é certamente algo de que não precisamos durante este período crítico.