Os filmes de Star Wars sob controle da Disney têm sido tanto excelentes sequências à franquia quanto apenas perfeitamente ok  — as opiniões podem variar, é claro, mas não houve nenhum deles sendo mal recebido de forma unânime. No entanto, já lançaram muitos deles, e tem mais ainda vindo por aí. Mas o CEO da Disney, Bob Iger, diz que talvez possamos começar a esperar por lançamentos mais esparsos no futuro.

• Disney Play: o que se sabe sobre a plataforma de streaming da gigante do entretenimento

Em entrevista ao Hollywood Reporter, ele falou de uma série de coisas, desde o serviço de streaming da Disney que será lançado até o que a aquisição da Fox significa para o universo de filmes da Marvel daqui pra frente. Iger afirmou que o atual ritmo de um filme de Star Wars por ano é um pouco excessivo para uma franquia que ficou adormecida por quase uma década antes de O Despertar da Força, em 2015. Aparentemente, depois do lançamento do Episódio IX em 2019, os fãs precisarão esperar um pouco mais para ver as sequências no cinema:

Tomei a decisão do timing e, à medida que olho para trás, acho que o erro que cometi — assumo a culpa — foi que eles foram muitos e muito rapidamente. Vocês podem esperar uma desaceleração, mas isso não significa que não vamos fazer filmes. J.J. (Abrams) está ocupado fazendo o (Episódio) IX. Temos entidades criativas, incluindo (os criadores de Game of Thrones David) Benioff e (D.B.) Weiss, que estão desenvolvendo suas próprias sagas, sobre as quais não fomos específicos ainda. E estamos no ponto em que vamos começar a tomar decisões sobre o que vem a seguir depois do (trabalho) do J.J. Mas acho que seremos um pouco mais cuidadosos com volume e timing.

Isso talvez seja pelo fato de que o lançamento mais recente, Han Solo: Uma História Star Wars, foi “meramente” decente nas bilheterias. Não foi um fracasso como algumas pessoas gostariam de declarar, mas também não quebrou recordes como muitos (como a própria Disney) esperariam de um filme Star Wars. Transformar os filmes de Star Wars em eventos grandiosos em vez de uma mera ocorrência anual é uma boa maneira de deixar as pessoas empolgadas por qualquer sequência, seja ela da história principal, um spinoff ou um dos projetos de Rian Johnson e Benioff e Weiss.

Entretanto, é também uma boa ideia porque vai, esperamos, permitir que mais materiais variados de Star Wars sejam feitos. Um ciclo regular e incessante de Star Wars todo ano significa que é fácil se perder em um circuito de filmes que, tirando ajustes estéticos e de tom, geralmente cobrem coisas parecidas do universo da saga que já conhecemos e amamos (porque é isso que dá retorno), levando a uma mesmice que a franquia precisa desesperadamente evitar se quiser continuar crescendo e prosperando como fez até agora.

Além disso, a maior espera entre os filmes não significa que não haverá Star Wars por aí. Parte da força da era Disney de Star Wars é que a existência da franquia para além das telonas é mais vibrante e essencial do que nunca, com livros, séries e quadrinhos trazendo o universo de ótimas maneiras regularmente. Portanto, mesmo que você não vá ter um filme de Star Wars a cada ano, ainda terá muita coisa para desbravar dessa galáxia muito, muito distante.

Imagem do topo: Lucasfilm