As autoridades de saúde da China anunciaram na sexta-feira (14) que o novo coronavírus adoeceu pelo menos 1.716 profissionais de saúde e matou seis. Aproximadamente 87% dos profissionais de saúde infectados com COVID-19 estavam na província de Hubei, o epicentro do surto, de acordo com o jornal chinês China Daily.

O vice-diretor da Comissão Nacional de Saúde da China, Zeng Yixin, fez o anúncio em uma coletiva de imprensa hoje, enfatizando que todos os profissionais de saúde seriam compensados ​​através de um seguro de acidentes de trabalho.

“Atualmente, os deveres dos médicos e enfermeiros são de fato extremamente pesados. Suas circunstâncias de trabalho e descanso são limitadas, as pressões psicológicas são grandes e o risco de infecção é alto”, disse Zeng, de acordo com uma tradução em inglês da Reuters.

Zeng enfatizou a necessidade de deixar os profissionais de saúde descansarem, algo que tem sido um problema, com base em fotos que circulam nas redes sociais de médicos e enfermeiros desabando em suas roupas de proteção, caindo no sono sempre que podem.

“Os governos locais devem oferecer aos médicos planos razoáveis ​​para garantir que eles tenham tempo suficiente para descansar”, disse Zeng, de acordo com o China Daily.

As seis mortes e 1.716 doenças dos profissionais de saúde ocorreram na terça-feira, deixando a possibilidade de que mais pessoas pudessem ficar doentes ou morrer esta semana.

Zeng também explicou que as pessoas que foram testadas positivas para o vírus, mas não apresentam sintomas, conhecidas como portadoras assintomáticas, não estão sendo contadas nas estatísticas oficiais de saúde do país. Zeng disse que, enquanto portadoras assintomáticas ficam em quarentena por 14 dias, juntamente com todos os demais, não há necessidade de contá-las entre as pessoas que contraíram a doença, de acordo com o Financial Times.

Um comissário de bordo gesticula para a equipe médica em solidariedade enquanto o trem parte para Wuhan em Nanchang, província central de Jiangxi, na China, em 13 de fevereiro de 2020. Foto: Getty Images

Pelo menos 65.183 pessoas foram confirmadas como tendo casos do novo vírus, segundo o Sydney Morning Herald. E pelo menos 1.486 morreram em todo o mundo.

A China registrou 5.090 novos casos de coronavírus nas últimas 24 horas, segundo a CGTN, além de 121 novas mortes – sem incluir a terceira morte por COVID-19 registrada fora da China na quinta-feira. O Japão relata que uma mulher de 80 anos, que estava no hospital desde 1º de fevereiro, morreu de pneumonia relacionada ao coronavírus. A mulher não tinha histórico de viagens para a China e não teve contato com ninguém no cruzeiro Diamond Princess atualmente em quarentena em Yokohama.

O Japão começou a liberar do navio Diamond Princess alguns passageiros idosos que não deram positivo para o vírus na sexta-feira, depois que muitos na comunidade global de saúde pública questionaram a decisão de forçar milhares de pessoas a permanecer no navio. Aproximadamente 80% dos passageiros do Diamond Princess têm mais de 60 anos.

Cerca de 218 pessoas deram positivo para o vírus no navio e apenas algumas centenas dos mais de 3.700 a bordo foram submetidas ao teste. Além dos idosos, alguns passageiros sem janelas nos quartos podem sair, pois todos devem permanecer em seus quartos 24 horas por dia.