Na última quinta-feira (24), um condomínio de 12 andares à beira-mar ao norte de Miami Beach desabou, matando pelo menos quatro pessoas e deixando quase 160 desaparecidas. Pode ser um sinal assustador para o futuro, especialmente porque a elevação do nível do mar prejudica a própria fundação do sul da Flórida.

Um estudo de abril de 2020 descobriu que a área que o edifício estava mostrava sinais de afundamento da terra — provocado por ocorrências naturais e atividades humanas, como a extração de combustíveis fósseis e águas subterrâneas. Os autores disseram ao jornal USA Today que na década de 1990, o prédio estava descendo a uma taxa de 2 milímetros por ano, embora não esteja claro se isso necessariamente contribuiu para seu colapso.

As autoridades estão apenas começando sua investigação sobre o que causou a queda devastadora do prédio. Mas serão necessários mais dados para descobrir o que aconteceu. “Neste ponto, qualquer hipótese não é mais do que uma simples especulação”, escreveu Henry O. Briceño, professor da Florida International University que estuda qualidade da água e geologia. “Devemos esperar que os engenheiros coletem e analisem as informações.”

Mas embora os detalhes do acidente ainda estejam sob investigação, está claro há décadas que o aumento do nível do mar ameaça a infraestrutura — e as pessoas — no sul da Flórida. E o momento de lidar com esses riscos é agora, já que ele está acelerando. Um relatório divulgado no ano passado descobriu que Miami “enfrenta o maior risco de qualquer grande cidade costeira do mundo” por causa da quantidade de imóveis caros e das pessoas que vivem em um lugar tão frágil. Estima-se que US $ 3,5 trilhões em imóveis correm o risco de inundação na década de 2070, de acordo com o relatório.

“Embora seja muito cedo para determinar a causa, definitivamente não é muito cedo para se preocupar sobre como os edifícios e outras infraestruturas serão afetados à medida que as inundações causadas pelo aumento do nível do mar pioram e se existe um plano para modificar e manter esses edifícios ou se eles deveriam ser abandonados e removidos”, Andrea Dutton, geocientista da University of Madison Wisconsin e ex-professora associada de geologia da University of Florida, escreveu por e-mail.

Os prédios em Surfside e Miami Beach são construídos sobre um pântano recuperado. Suportando-os, está o calcário poroso, que constitui a base geológica da região. À medida que o aumento do mar invade a área — seja por tempestades ou inundações —, águas subterrâneas corrosivas e salobras podem ser empurradas para cima através do calcário, causando problemas para as estruturas. “Se a água do mar penetrar em uma coluna e atingir o vergalhão, ela se oxidará e os produtos aumentarão o volume, criando tensões que, por sua vez, podem rachar o concreto”, disse Briceño.

Isso certamente é uma ameaça para o futuro. “As estruturas estarão sujeitas a condições para as quais não foram projetadas, como estar permanentemente sob a água do mar”, disse Briceño. “As misturas de concreto são preparadas para o que devem suportar de acordo com o projeto, tanto mecânica quanto quimicamente.”

Assine a newsletter do Gizmodo

Tragicamente, a torre Champlain deveria passar por uma inspeção de 40 anos em breve, o que poderia ter mostrado que ela corria o risco de cair. Com essas terríveis ameaças em andamento, as autoridades podem ter que considerar a realização de tais inspeções com mais frequência.

Dutton teme que pode até ser hora de começar a remover pessoas de Surfside, um destino que algumas áreas também já estão considerando devido à elevação do mar. “Uma das minhas preocupações é que a paisagem urbana ficará inundada sem um plano para remover essa infraestrutura e, então, nosso litoral se tornará apenas uma pilha de entulho de concreto, metal e vidro”, disse.