Os cientistas conseguiram induzir bactérias locais a limpar um aquífero contaminado, injetando um químico natural e seguro na água, de acordo com um novo estudo.

Um grupo de produtos químicos chamados etenos clorados, que antes eram usados ​​como solventes e limpadores industriais, continua a poluir as águas subterrâneas em todo o mundo até hoje, e é especialmente difícil de quebrá-los. À medida que os pesquisadores continuam buscando formas de removê-los do meio ambiente, eles perceberam que um grupo de bactérias pode decompor parcialmente o produto químico, mas não consegue terminar o trabalho. Uma equipe na Espanha conseguiu descontaminar um aquífero apenas adicionando ácido láctico (um produto químico comum e com gosto azedo que aparece em leite fermentado, picles, tratamentos para a pele e muitos outros produtos familiares).

Essa abordagem de remover um poluente do meio ambiente é chamada bioestimulação – e consiste em estimular as bactérias já encontradas na natureza a fazer a limpeza para você. Os pesquisadores citaram muitos estudos que mostraram que as bactérias que respiram organo-halogenetos conseguiram quebrar os etenos clorados em laboratório, mas poucos estudos realmente aplicaram o método em escalas maiores no mundo real.

Os pesquisadores se concentraram em um local industrial em Barcelona que havia contaminado um aquífero com etenos clorados. Primeiro, eles coletaram as águas subterrâneas da área para criar microcosmos dos micróbios locais. Em seguida, eles adicionaram lactato de sódio a alguns dos lotes coletados. As bactérias sem o ácido lático começaram a quebrar os poluentes, mas pararam e deixaram para trás subprodutos ainda tóxicos. Aquelas com ácido lático adicionado quebraram completamente os produtos químicos alvo.

Em outubro de 2016, a equipe injetou lactato de sódio em um dos locais e o monitorou por 190 dias. Os resultados foram promissores, então eles realizaram um tratamento em larga escala com lactato em agosto de 2017, injetando a cada três meses durante um ano. Eles analisaram as amostras para etenos clorados, em setembro de 2018. Depois de um ano, a maior parte do eteno clorado tinha virado eteno não tóxico, e em muitos poços, as bactérias tinham totalmente discriminados os produtos químicos a tal ponto que eles não eram detectáveis.

É importante observar que, embora o método tenha sido eficaz na quebra dos etenos clorados, em alguns casos elas deixaram para trás o cloreto de vinilo, um produto químico também tóxico que provém das bactérias que não quebram completamente o poluente inicial, embora houvesse evidências de cloreto de vinila quebrando em eteno. O metano, o potente gás de efeito estufa, também foi um subproduto, de acordo com o artigo publicado na Water Research.

Este novo estudo segue várias décadas de trabalho tentando remover esse poluente recalcitrante do meio ambiente. Os pesquisadores ficaram entusiasmados com o fato de sua técnica reduzir as concentrações de eteno clorado de maneiras que outras estratégias não conseguiram, de acordo com um comunicado à imprensa.

Talvez as bactérias trabalhem conosco para consertar alguns dos terríveis problemas que infligimos ao nosso meio ambiente. Ou talvez eles nos matem. Vai saber.