Ao redor do mundo, a indústria pecuária é responsável por quase 15% da poluição de gases do efeito estufa. Nos Estados Unidos, vacas são responsáveis por 27% das emissões de metano. Frango e porco também são pesadelos ambientais.

Embora cada indústria seja menos poluente, ambas exigem a produção excessiva de soja (mais de 1/3 da soja do mundo é destinada à avicultura e cerca de 1/5 à suína), o que impulsiona o desmatamento em lugares como a Amazônia. Clima e danos ecológicos fizeram com que algumas pessoas se voltassem para o veganismo.

Mas e os frutos do mar? Se você não está pronto para desistir totalmente de carne, estaria tudo bem (ou pelo menos “melhor”) comer só salmão? E camarão, pode? As respostas a essas perguntas não são nada simples.

Quando o assunto é clima, captura selvagem é melhor

Estritamente do ponto de vista das emissões, comer animais marinhos geralmente é uma escolha melhor do que outros tipos de carne. “Frutos do mar têm uma pegada de carbono menor do que outras proteínas animais, em média, porque a pesca não requer terras agrícolas ou cuidado com o gado”, diz Anna Baxter, especialista em comunicações da Oceana (organização de conservação do oceano), citando um estudo de 2012.

Existem até regras básicas para garantir que seu peixe tenha a pegada mais leve possível. Comer um bicho capturado na natureza geralmente é melhor. Espécies menores, como anchovas, arenque e sardinha, são boas opções por estarem relativamente baixos na cadeia alimentar.

Moluscos como ostras, mexilhões e vieiras tendem a ser opções favoráveis ​​ao clima, porque podem filtrar o alimento da água em vez de sobreviver à base de ração. Existem guias gringos, como o Monterey Bay Aquarium Seafood Watch, que podem ajudar a fazer escolhas com maior propriedade.

Mesmo assim, as coisas podem ficar complicadas.

“Ao contrário do gado, os peixes não são ruminantes que produzem metano quando arrotam e peidam”, diz Jan Dutkiewicz, pós-doutorado na Concordia University e pesquisador visitante no Animal Law and Policy Program de Harvard. “E ao contrário do frango, eles não são produzidos em ambientes poluentes altamente emissores.”

A criação de peixes tem um impacto climático maior do que a captura de frutos do mar selvagens. Em 2017, o setor de piscicultura gerou 0,5% das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem, quase no mesmo nível de emissões da Holanda.

“Há um caso muito forte a ser defendido que se as pessoas que cultivavam vegetais frescos e saudáveis, feijões e leguminosas recebessem o mesmo tipo de apoio … para desenvolver variedades melhores, novas variedades ou apenas para produzir em maior escala, nós poderia atingir custos mais baixos e incentivar as pessoas a comê-los”

Jan Dutkiewicz

Embora muitos tipos de frutos do mar capturados na natureza sejam escolhas mais conscientes com o clima, isso não é regra generalizada. Crustáceos como camarão e lagosta estão associados a uma fração das maiores emissões de carbono, pois os barcos usados ​​para capturá-los devem parar constantemente e começar a armar/coletar as armadilhas, usando muito combustível no processo.

Um estudo de 2018 da revista Nature Climate Change descobriu que a pesca de lagosta e camarão pode produzir mais emissões do que as granjas de frango e porco. Outro relatório divulgado em 2021 relata que os arrastões liberam muito dióxido de carbono, sendo equivalente a toda a indústria de aviação.

A pesca predatória também é uma grande preocupação, com as Nações Unidas alertando que um terço da pesca mundial está sendo usada a taxas insustentáveis. As pisciculturas também são fontes de poluição e doenças que podem afetar espécies selvagens.

Como “consertar” frutos do mar?

Trocar um hambúrguer de carne vermelha por hambúrguer de salmão é um passo para reduzir a pegada de carbono da sua dieta. Um relatório de abril descobriu que os gerentes de pesca dos EUA estão falhando em prevenir a pesca predatória e impor limites anuais de captura.

Pressionar os legisladores por mais supervisão para garantir que as leis estão sendo cumpridas seria uma ação sistêmica importante. Contudo, as políticas em si também podem ser melhoradas, especialmente à medida que mudanças climáticas colocam mais pressão sobre a pesca.

Um projeto de lei norte-americano apresentado recentemente poderia melhorar a política existente para proteger mais criaturas e responder melhor às mudanças climáticas.

A pesca também é um comércio global. No ano passado, a Organização Mundial do Comércio não conseguiu chegar a um acordo sobre como cortar subsídios para fazendas de peixes insustentáveis – enquanto estas ajudam a destruir os estoques pesqueiros do mundo.

Assine a newsletter do Gizmodo

Em geral, a ciência mostra que as opções de proteína mais sustentáveis ​​não são baseadas em animais, mas em proteínas à base de plantas, como feijões e lentilha. Portanto, outra maneira de reduzir o impacto ambiental dos frutos do mar é encolher todo o setor, expandindo alternativas mais sustentáveis. Os governos gastam dezenas de bilhões de dólares ao redor do mundo (por ano) na indústria pesqueira. Esses incentivos podem encorajar a pesca predatória e a sobre-exploração.